concursos, exposições, curiosidades... sobre arte
escolhidos por MARIA PINTO
(Maria Regina Pinto Pereira)

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Soviet-era erotic alphabet book from 1931

Soviet-era erotic alphabet book from 1931 [Советская эротическая азбука 1931 года]


Image: This threesome brought
to you by the letter «А» (1931)

Reproduced here are a bunch of scans from a fascinating erotic alphabet book printed in the Soviet Union circa 1931, made to combat adult illiteracy. By the sculptor and future People’s Artist of the USSR Sergei Merkurov [Сергей Меркуров], no less.
Ц, Ш
Ц, Ш
As my friend Jasmine Curcio points out, these images draw upon clear precedents in the phallic imagery of ancient Roman art. Throughout the ABC book one can find images of horny satyrs, indecent cupids, and flying disembodied cocks. Given Merkurov’s own fascination with ancient Greek and Roman art, this is hardly surprising. No doubt, all of these precedents were consciously invoked. Though it is admittedly somewhat interesting to see various dirty motifs cribbed from the style of Roman antiquity deployed for the purposes of a Soviet literacy campaign, which was itself such a distinctly modernizing project.
This should stand as definite challenge the false notion that the Soviet Union suppressed its citizens’ sexual desires, or was in the least conservative when it came to such matters. At least, not until Stalin achieved full control and instituted conservative policies. And, ironically, illustrated by the same man who’d later be commissioned by the Soviet government to sculpt a number of famous monuments to Stalin.
Ф, Ь
Ф, Ь
My friend Anna Khachiyan‘s reaction is worthy of inclusion here:
Thanks for sharing this — it is fantastic! All my years of tumblr trolling, and I’ve never seen anything nearly as good. And so artfully done, too. Alas, if only they had this much sex in real life.
But I must ask: What ever happened to the letter «Ж» in these drawings? This would be a difficult letter to navigate, sexually, but imagine the erotic possibilities!
Anyway, without further delay, some acknowledgments:
All of these great images are reposted from the brilliant Russian Livejournal accountIsle of Crimea [Остров Крым]. I’d also like to thank Arya Moghadam for first bringing them to my attention. Credit is also due toAgata Pyzik, who first discovered them for the Anglophone world.
Needless to say, these are not safe for work. Enjoy.
via Norma Mobilon

2nd International Engraving Contest of FIG Bilbao



  • GABRIELLA LOCCI: artista y presidente de Casa Falconieri.
  • JAVIER BLAS: exdirector de la Calcografía Nacional y actual Coordinador de proyectos académicos, relaciones institucionales, mecenazgo y comunicación de la Real Academia de Bellas Artes de San Fernando.
  • JAVIER VIAR: director del Museo de Bellas Artes de Bilbao.
  • UGO COLLU: presidente de la Fundación Constantino Nivola.
  • FRANCO FANELLI: docente, artista, director adjunto de “The Art Newspaper” y editor de la revista “Vernissage”.
  • ANOUK VAN DE VELDE: presidente de Kouter 31 y profesional del arte gráfico.


FIG Bilbao celebrará el 2º Concurso Internacional de Grabado Contemporáneo, dotado del mayor premio en metálico de este tipo de eventos, 18.000 euros. El concurso se enmarca dentro del festival que tendrá lugar el 28,29,30 de noviembre y 1 de diciembre en Bilbao.

Pueden participar todos los artistas sin límite de edad y nacionalidad. La convocatoria se centrará en obras de gran formato y realizadas con técnicas mixtas de grabado. Junto con el concurso internacional, también se celebrará la 1ª edición del Premio FIG Graphia, dedicado exclusivamente a la producción de obra impresa en el nuevo papel creado dentro de la plataforma del festival.


The 2nd International Engraving Contest of FIG Bilbao will be endowed with the largest cash prize of such events, 18.000 euros. The contest is part of the international festival that will be held on November the 28th,29th,30th and December the 1st in Bilbao.

The call Is open to all artist of every age and nationality, and will focus on large-scale works, made with mixed engraving techniques. The 1st edition of FIG Graphia Award will also be held, dedicated exclusively to the production of printed work in a new paper created within the platform of the festival.


FIG Bilbao terrà la 2º edizione del Premio F.I.G. (Concorso Internazionale di Incisione Contemporanea), dotato del più importante premio in denaro per questo tipo di evento (euro 18.000). Il concorso fa parte del Festival Internazionale di Incisione che si terrà il 28,29,30 novembre e il 1 dicembre a Bilbao.

Possono partecipare tutti gli artisti senza limiti di età e nazionalità. La partecipazione è aperta a opere di formati differenti e soprattutto alle opere di grandi dimensioni e realizzate con tecniche miste di incisione. Contemporaneamente al Concorso Internazionale, si terrà anche la prima edizione del Premio FIG Graphia, dedicato alla realizzazione di un opera stampata nella nuova carta da incisione creata all'interno della piattaforma del festival.

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Moscow 5 Biennale of Contemporary Art

Gosia Wlodarczak, Window Shopping Frost Drawing, 2012. 18-day performance, Gallery of Modern Art, Brisbane, Australia. Courtesy of the artist and Fehily Contemporary, Melbourne.

terça-feira, 9 de julho de 2013

Political Art Exhibit "In God We Tru$t"

Political Art Exhibit "In God We Tru$t"

Throughout the centuries, artists worldwide have expressed their political views within their art forms.  
Artists continue to take on political and social extents, creating controversy and perhaps an influence 
of political and social changes.

All work in this exhibit carries a strong political message.
Through paintings, photography, poetry/spoken word or song, artists share their feelings through art.

Artists: Gregg Stone, John Culqui, Robert Lebsack, Stephanie Escobar, Pamela Escobar, 
            Preston Craig, Patrick Grugan, Clare Hebert, Hugh van der Linden, Jill Hunter, Marisol Gomez

Artist Reception: Saturday, July 13th  4pm - 8pm

Exhibit Dates:  July 2nd through 27th

Cost:  Free Admission 

Location: PICTURE THIS Gallery
                4130 Norse Way
                Long Beach, CA 90808

Gallery Hours:  Tuesday - Friday  Noon-7pm
                         Saturday  10am-5pm

Contact:  Marisol Gomez  562.233.3726

Watercolor Artist magazine - competição

July 9,2013
Artists Network   |   Blogs  |  Shop  |  Forums  |  Subscribe  |  Bonus Wallpapers
Watermedia Showcase
Enter now to win cash and get your art
featured in Watercolor Artist magazine!

 If you work in watercolor, gouache, acrylic or another water-based medium, this is the competition for you. Award Winners and Honorable Mentions will be published in the April 2014 issue of Watercolor Artist. Plus, you could win cash prizes up to $1,000!

Deadline: August 1, 2013
Enter now!
Winners and prizes

Antonio Grassi deixa presidência da Funarte para assumir cargo no Instituto Inhotim



Depois de dois anos à frente da Funarte, órgão do Ministério da Cultura, Antonio Grassi deixa a presidência da instituição para assumir um cargo na diretoria executiva do Instituto Inhotim, em Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte.
Na Funarte, Grassi coordenou o ano do Brasil em Portugal e trabalhou na programação cultural do país para a Feira do Livro de Frankfurt, em outubro, projeto criticado por gastar cerca de R$ 19 milhões em verbas públicas num evento do mercado editorial.
Grassi deixa pendente na Funarte a reforma do Teatro Brasileiro de Comédia, em São Paulo, que deve ser inaugurado até o final deste ano. "Quem entrar no meu lugar só vai ter de inaugurar", disse Grassi à Folha.
Rafael Andrade/Folhapress
O ator e diretor Antonio Grassi, que deixa a Funarte para assumir cargo no Instituto Inhotim
O ator e diretor Antonio Grassi, que deixa a Funarte para assumir cargo no Instituto Inhotim
No Instituto Inhotim, ele deve ocupar um cargo que já existia, mas estava vago, o de diretor executivo adjunto. Enquanto Ricardo Gazel permanece como diretor administrativo e financeiro do museu mineiro, Grassi assume a direção artística de projetos paralelos, ou seja, que não sejam de artes visuais --o forte da instituição do magnata mineiro Bernardo Paz.
Grassi disse que sua saída da Funarte foi uma "necessidade pessoal de procurar novos caminhos". "Minha preocupação foi concluir tudo que está encaminhado. Toda minha conversa para a saída que eu tive com a ministra [da Cultura, Marta Suplicy] foi ótima e muito bem aceita por ela", afirmou. "Tivemos uma boa experiência. Saio com uma excelente impressão da Marta e disposto a colaborar com o Ministério da Cultura."
Seu flerte com o Instituto Inhotim começou em 2010, quando organizou no museu uma das edições do Inhotim Em Cena, festival anual de dança e teatro. "Minha experiência anterior foi muito rica", diz Grassi, que assume o cargo em Brumadinho na semana que vem.
"A primeira coisa que eu vou fazer chegando lá é uma imersão mesmo, para conhecer todas as áreas do museu. Qualquer trabalho em outras áreas tem de estar afinado com as artes visuais. Vou entrar para somar ao trabalho bem sucedido já feito lá."
Com a saída de Grassi da Funarte, a diretora executiva Myriam Lewin assume o órgão do MinC em caráter interino, até que seja apontado um novo presidente pela ministra Marta Suplicy.

mudanças na Lei Rouanet

Importantes mudanças na Lei Rouanet por Clarissa Iser, ABCR

Ministério da Cultura publica nova instrução normativa para a lei rouanet trazendo importantes mudanças para as organizações que atuam na área cultural
Matéria de Clarissa Iser originalmente publicada no sítio da Associação Brasileira de Captadores de Recursos em 6 de julho de 2013.
Dados da última FASFIL, a pesquisa que levantou a quantidade e perfil das associações e fundações brasileiras, indicam existirem 11.995 organizações sem fins lucrativos da área da cultura e arte no Brasil, representando 4,1% do total das quase 291 mil no país. Além das pessoas jurídicas, a área cultural também reúne inúmeros produtores culturais e artistas, que realizam ações no campo da cultura. Existem várias fontes para o financiamento de projetos culturais, públicas ou privadas, nacionais e até internacionais. Dentre elas, entretanto, a Lei Rouanet é uma das mais utilizadas.
O Ministério da Cultura publicou, no dia 1º. de julho, aInstrução Normativa nº 1, de 24 de junho de 2013, que estabelece procedimentos para a apresentação, recebimento, análise, aprovação, execução, acompanhamento e prestação de contas de propostas culturais, relativos ao mecanismo de incentivos fiscais do Programa Nacional de Apoio à Cultura – PRONAC e traz importantes mudanças, das quais:
Caiu o limite que fixava a autorremuneração do proponente em 10% do total do projeto até o teto de R$ 100 mil. A partir de agora, o proponente não terá mais essa limitação e continuará podendo ser remunerado dentro de seu projeto, desde que preste serviços dentro do projeto, discriminando no orçamento analítico quais serão suas rubricas. É importante dizer que o proponente deverá apresentar mais 2 orçamentos comprovando que seu preço é o mais econômico.
Apesar de possuir um CNPJ, o microempreendedor individual foi equiparado à pessoa física na Lei Rouanet e terá os mesmos direitos e deveres da mesma, inclusive as limitações (números de projetos ativos e total permitido para os projetos).
Tornar-se-á obrigatório no plano de distribuição dos projetos em que haja previsão de público pagante ou comercialização de produtos culturais:
- mínimo de 10% para distribuição gratuita à população de baixa renda
- até 10% para distribuição gratuita promocional pelos patrocinadores
- até 10% para distribuição gratuita promocional em ações de divulgação do projeto
Além disso, o custo unitário dos ingressos ou produtos culturais, devem observar os critérios:
- mínimo de 20% para comercialização a preços populares e não superiores ao teto do vale cultura (que hoje é R$ 50)
- até 50% para comercialização a critério do proponente
O Plano Anual de Atividades poderá ser apresentado por entidades sem fins lucrativos e poderá contemplar, além dos projetos e ações anuais, a manutenção da entidade. Este tipo de projeto deve ter caráter permanente e continuado.
As mudanças, porém, não se limitam a estas listadas neste texto, e podem ser conhecidas com mais detalhes aqui.
Interessados em ler a Instrução Normativa na íntegra, podem acessá-la nesta página.
Captadores e mobilizadores de recursos que atuam para organizações culturais ou que desenvolvam projetos culturais devem ficar atentos a estas e todas as mudanças trazidas pela nova regulamentação do Governo Federal, pois impactam diretamente nos projetos. As legislações estão em constantes adequações e modificações, e devem ser acompanhadas sistematicamente.
CLARISSA ISER é captadora de recursos e associada da ABCR (00076). Diretora criativa da PROJETA Planejamento e Marketing, com sede em Santa Catarina, é especialista na captação de recursos públicos e privados para as áreas de cultura, esporte e turismo. Mestre em Administração Pública, tem formação acadêmica nas áreas de Turismo e Hotelaria e Administração. É parecerista da Lei Rouanet, contratada pelo Ministério da Cultura.
Posted by Patricia Canetti 

invasão do vermelho - Rosane Gauss - Avaré - SP

Mobilidade Artística e Cultural

cursos MAM SP - 2º semestre de 2013

Curso de História de Arte da Colômbia - RJ

o processo criativo - EAV - Parque Lage - RJ

Faça download de 40 obras da Literatura de Cordel

Faça download de 40 obras da Literatura de Cordel

por Camila Garófalo
Pendurados em cordéis
O portal Canal do Ensino preparou uma lista de livros para download gratuito de Literatura de Cordel. Também conhecida no Brasil como folheto, é um gênero literário popular escrito frequentemente na forma rimada.
O nome surgiu da maneira em que os folhetos eram vendidos na rua, pendurados em barbantes. Os autores, ou cordelistas, recitam esses versos de forma melodiosa e cadenciada, acompanhados de viola.
Entre os autores disponíveis para baixar estão nomes como Leandro Gomes de Barros e Guaipuan Vieira, membros da Academia Brasileira de Literatura de Cordel – gênero escrito frequentemente de forma rimada e impresso em folhetos.
Neste estilo literário, alguns dos poemas são ilustrados com xilogravuras, as mesmas usadas nas capas dos folhetos. Confira neste link os 40 livros gratuitos.

Fonte: Catraca Livre

comentário MaRegina - infelizmente só os versos sem a capinha ilustrada 

Funarte vai premiar projetos culturais na região do Pantanal

Edital Mais Cultura: Microprojetos Pantanal vai contemplar 48 projetos nas áreas de artes visuais, circo, dança, teatro, música, literatura, audiovisual, artes e expressões populares, e moda

Estão abertas até o dia 5 de setembro as inscrições para o Edital Mais Cultura: Microprojetos Pantanal. O programa tem por objetivo fomentar e incentivar atividades culturais de baixo custo propostas por artistas, produtores e grupos da região do Pantanal. Ao todo, serão contemplados 48 projetos, com premiações de R$ 15 mil para cada um. O investimento total é de R$ 828 mil, com recursos do Fundo Nacional de Cultura (FNC). A portaria que institui este edital foi publicada nesta segunda-feira, 8 de julho, no Diário Oficial da União.
Os projetos – de artes visuais, circo, dança, teatro, música, literatura, audiovisual, artes e expressões populares e moda – devem contribuir para promover a cidadania cultural e ter como beneficiários jovens de 17 a 29 anos, residentes nos municípios do Pantanal. As inscrições não serão prorrogadas.
Iniciativa da Funarte/Ministério da Cultura, o Edital Mais Cultura: Microprojetos Pantanal é a continuidade do programa Mais Cultura, que já lançou editais de estímulo às artes nas regiões do Semiárido, da Amazônia Legal e da Bacia do Rio São Francisco. O objetivo principal é descentralizar os recursos na área cultural e interiorizar as ações da Fundação, além de contribuir para a fixação da mão de obra local.
Para orientar artistas e gestores culturais, nos próximos meses, acontecerão oficinas de qualificação, ministradas nos municípios do Pantanal.
Sobre o Pantanal
O pantanal é formado pelos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, que abrangem os municípios de Barão de Melgaço, Cáceres, Itiquira, Lambari D’Oeste, Nossa Senhora do Livramento, Poconé, Santo Antonio de Leverger (MT); e Aquidauana, Bodoquena, Corumbá, Coxim, Ladário, Miranda, Sonora, Porto Murtinho, Rio Verde de Mato Grosso (MS). Além da importância geográfica, o Pantanal tem destaque histórico, cultural, turístico e ambiental para os brasileiros. A região tem cerca de 500 mil habitantes.
Mais informações:
Tel: 2279-8029

Fonte: FUNARTE – Fundação Nacional de Artes

Centro de Artes abre cursos de Música, Artes Visuais e Dança - Manaus - AM

Período de seleção vai até quinta-feira (11), em Manaus.
Ingresso será por meio de teste de aptidão ou entrevista.
O Centro de Artes da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) está com vagas abertas para novas turmas para cursos nas áreas de Música, Artes Visuais e Dança. As oportunidades são para o segundo semestre de 2013.
De acordo com a Ufam, estão sendo oferecidos cursos para várias faixas etárias e o ingresso  será por meio de teste de aptidão ou entrevista com os professores da modalidade escolhida e pagar a taxa de matrícula no valor de R$ 30.

O período de seleção vai até quinta-feira (11), com datas e horários específicos para cada curso. O atendimento será por ordem de chegada. Informações podem ser obtidas na divisão de cursos do Caua na Rua Simão Bolívar nº 215, Praça da Saudade, Centro.

Fonte: G1 AM - 07/07/2013

Vagas disponíveis para educadores no Museu Afro Brasil - SP

O Museu Afro Brasil criado a partir da coleção particular de Emanoel Araújo, nasceu por sua iniciativa. Ao longo de duas décadas, Emanoel Araujo realizou uma série de pesquisas, publicações e exposições relacionadas à herança histórica, cultural e artística do negro no Brasil. 

Sobre a vaga
Buscamos 2 profissionais para exercem a função de EDUCADOR. 
Escolaridade Mínima: Ensino Superior Graduação em Ates, pedagogia, Ciências Sociais, Antropologia, História e Filosofia.
Horário de Trabalho
De 3ª: 6:30 h e de 4ª a 6ª feira, 4 horas por dia.

Finais de semana: Alternados, conforme escala.
Planos de Saúde e Odontológico, Vales: Refeição, Alimentação e Transporte.
OBS.: Comunicamos que, em virtude de problemas técnicos ocorridos em nossos sistemas de e-mails, os Curriculuns Vitae enviados para a vaga de EDUCADOR devem ser reencaminhados para o endereço eletrônico:

Principais Atribuições/Responsabilidades do Cargo
• Atender diferentes públicos, agendados ou espontâneos (indivíduo ou grupo), e mediar visitas ao Museu Afro Brasil.
• Organizar, junto aos membros do Núcleo de Educação, estratégias de atendimento adequadas às diretrizes do Núcleo e às demandas dos visitantes;
• Atender visitantes específicos (pesquisadores, jornalistas, personalidades, políticos, investidores, público especial).
• Realizar pesquisas, leituras e cursos de capacitação, conforme demanda da coordenação para aprimorar o repertório/conteúdo e subsidiar produção de conhecimento educativo.
• Realizar pesquisas e elaborar relatório conforme orientação do Núcleo de Documentação e Pesquisa.
• Orientar, elaborar e desenvolver cursos e treinamento, na sua área de formação para os demais funcionários doMuseu Afro Brasil, educadores e visitantes.
• Emitir relatório após a realização das visitas (agendadas ou não).
• Contribuir na elaboração de projetos e materiais educativos;
• Reunir-se com a coordenação do Núcleo de Educação e do Núcleo de Documentação e Pesquisa para discutir e realizar projetos e ações sempre que demandado.
• Manter seu superior imediato informado sobre suas atividades e realizações.
• Elaborar relatórios mensais sobre as atividades desenvolvidas.
• Participar dos cursos seminários, encontros e atividades de capacitação organizadas pelo Museu Afro Brasil;
• Orientar na temática das exposições, as visitas agendadas e espontâneas, desenvolvendo uma mediação entre o público visitante e as exposições de longa duração e temporárias do Museu Afro Brasil, levando em conta as diferentes faixas de idade a serem atendidas;
• Observar e registrar nos instrumentos adequados, indicados pela Coordenação do Núcleo de Educação, as atitudes do público visitante espontâneo, em relação às obras e ao espaço expositivo;
• Integrar a equipe do Museu Afro Brasil e agir de forma cooperativa com as demais equipes da instituição, por meio de interações interdisciplinares;
• Estabelecer contato com as instituições de ensino referente visitas de escolares e públicos especiais do Museu Afro Brasil, quando solicitado pela Coordenação do Núcleo de Educação;
• Realizar, sempre que solicitado pela coordenação, estudos acerca das exposições do Museu, e organizar um relato destes estudos.
• Contribuir com a sua participação para a formação da equipe de Educadores;
• Registrar as observações e sugestões que o público encaminhou, em instrumento adequado, indicado pela Coordenação do Núcleo de Educação;
• Participar dos programas de avaliação de público ou de atividades empreendidos pelo Museu Afro Brasil, bem como desenvolver pesquisas, quando solicitado;
• Participar das reuniões semanais de equipe, convocadas pela Coordenação do Núcleo de Educação;
• Colaborar nas discussões acerca dos projetos pedagógicos a serem implementados pelo Núcleo de Educação.
• Dar assistência emergencial aos outros núcleos do Museu Afro Brasil.

ll Concurso Rio em Cartaz

A Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro - PCRJ, através do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade/IRPH,  estará recebendo inscrições, no período de 01 de julho a 16 de agosto de 2013, de estudantes e profissionais do campo do Design e áreas afins, para participação no 2º Concurso Rio em Cartaz, sendo a cidade do Rio de Janeiro como Patrimônio da da Humanidade, na categoria Paisagem Cultural Urbana o foco central da expressão gráfica contida no cartaz.

Serão utilizados os valores provenientes do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade definidos no orçamento e destinados ao apoio e patrocínio do Design, na cidade do Rio de Janeiro, reafirmando a importância do trabalho continuado no âmbito cultural.

Fonte: Design Brasil

Inscrições abertas para minicursos do projeto Inverno no MHAB - MG

A Fundação Municipal de Cultura (FMC) promove de 7 a 12 de julho a 5ª edição do projeto Inverno no Museu Histórico Abílio Barreto (MHAB). Serão oferecidos dez minicursos ou palestras, ministrados pelo corpo técnico da instituição e por docentes e profissionais convidados, que trazem reflexões no campo da museologia e de áreas afins. Os minicursos acontecem no próprio Abílio Barreto (avenida Prudente de Morais, 202, bairro Cidade Jardim), no Centro de Cultura Belo Horizonte/Centro de Referência da Moda (rua da Bahia, 1.149, Centro) e no Centro de Referência Audiovisual (Crav), que fica na avenida Álvares Cabral, 560, no Centro. 

As inscrições custam R$ 30 para cada minicurso e podem ser feitas até domingo, dia 7, das 10h às 17h, na recepção do MHAB ou pelo e-mail A ementa completa dos cursos está disponível no portal Confira nesta página os detalhes dos minicursos e palestras.

O projeto Inverno no MHAB 2013 tem como objetivo contribuir para o aprimoramento e a ampliação do conhecimento no campo da cultura. Como centros de pesquisa e de difusão do conhecimento, o MHAB, o CCBH/CRModa e o Crav pretendem, com esse projeto, dinamizar suas políticas de ação cultural, legitimando-se como agentes culturais dinâmicos da cidade. 

Na abertura do evento, o Museu Histórico Abílio Barreto recebe a banda Fita Amarela, que vai apresentar o espetáculo musical “Rosas para Noel”. O show acontece no domingo, dia 7, às 11h30, e terá a participação especial de Chico Amaral. A apresentação é gratuita.
Minicursos e Palestras
• Favela Também é Patrimônio - com Natacha Rena, da Escola de Arquitetura e Urbanismo da UFMG. Dias 8 e 9, das 10h às 12h
Local: MHAB

• Contatos Especiais: experiências Inclusivas no MAO - com Naila Garcia Mourthé, coordenadora do Núcleo de Ações Educativas. Dia 8, das 13h às 14h30. 
Local: MHAB

• Museus na Cidade: desafios conceituais e operacionais - com Letícia Julião, da Museologia da UFMG. Dias 8 e 9, das 14h às 18h.
Local: MHAB

• Conservação Preventiva do Patrimônio Cultural Audiovisual - Com Isabel Felipe Beirigo (mestre em História/UFSJ), Marcella Furtado (mestre em Artes pela EBA/UFMG) e Soraia Nunes Nogueira (doutoranda em Artes pela EBA/UFMG). Dias 9, 10 e 11, das 14h às 18h
Locais: MHAB (dia 9) e CRAV (dias 10 e 11)

• Saberes Narrativos: considerações sobre o romance histórico e a metaficção historiográfica -Com Luiz Henrique de Oliveira (doutorando em Letras pela Fale / UFMG). Dias 10 e 12, das 9h às 12h
Local: MHAB

• Jardim Botânico Inhotim no jardim do MHAB - Com Lidiane Arantes e Lorena Moreira, educadoras do Instituto Inhotim. Dia 10, das 9h30 às 12h.
Local: MHAB

• Cidade Visível, Cidade Sensível, Cidade Educadora - com Vanessa Barboza Araújo. Dias 10 e 11, das 14h às 18h
Locais: CCBH/CRModa (dia 10) e e MHAB (dia 11)

• Acervos Textuais do MHAB: uma introdução teórica e suas formas de conservação e acondicionamento - com Christiano Quadros e Natercia Pons, do MHAB / FMC. Dia 10, das 14h às 18h, e dia 11, das 9h às 13h e das 14h às 18h
Local: MHAB

• A Educação na Fronteira entre Museus e Escolas: um estudo sobre as visitas escolares ao Museu Histórico Abílio Barreto - Com Soraia Freitas Dutra, da Leme / UFMG. Dia 11, das 9h às 12h
Local: MHAB

• A Sensibilidade Visual para o Desenho de Moda - Cores e Formas - Com Patrícia Mara Rodrigues Silva (EBA / UFMG). Dia 12, das 9h às 12h
Local: MHAB

Fonte: Prefeitura de Belo Horizonte

10º Salão de Arte Contemporânea de Marilia

Na Edição nº 1004 do Diário Oficial do Município, foi publicado na página 04 o Regulamento, cronograma e ficha de inscrição para o 10º Salão de Arte Contemporânea. Cada artista poderá inscrever-se em até duas modalidades de artes visuais, nas seguintes linguagens: desenho, pintura, gravura, fotografia, instalação, escultura, novas mídias e performance. A inscrição é gratuita!!! Acesse o link:
Se preferir, faça o download do regulamento em formato word: 10º Salão de Arte Contemporânea.doc

Na foto: A Secretária da Cultura Taís Monteiro, com Elvira Vernaschi - membro da ABCA Associação Brasileira de Críticos de Arte e Denise Campos - coordenadora do 10º Salão.

segunda-feira, 8 de julho de 2013

domingo, 7 de julho de 2013

Florian Foerster

O artista que mora em Berlim fala sobre a ponte que faz entre São Paulo e a Alemanha
Fabiana Caso
O artista Florian Foerster
Em um misto de apartamento e ateliê no bairro de Nëukolln, em Berlim, moram pedaços do Jardim da Luz, do Brás e do Centro de São Paulo. Ao menos, no que tange à visão desses locais pela óptica do artista alemão Florian Foerster. A partir de 11/6, ele mostra 22 gravuras inspiradas pelo Jardim da Luz na galeria Gravura Brasileira, na mostra ‘Luz - Decay and Transformation’ – que integra a programação oficial do Ano da Alemanha no Brasil.
Feitos a partir da mesma chapa de cobre, os trabalhos revelam uma aura densa e algo sombria, com formas orgânicas que se entrelaçam e confundem, sugerindo contornos humanos e da natureza. No final de agosto, ele participa de uma exposição coletiva na Oficina Cultural Oswald de Andrade, junto de artistas brasileiros, com datas a serem confirmadas.
O jardim vizinho à Pinacoteca inspira as gravuras da mostra
Natural de uma pequena cidade da Alemanha, Oldenburg, Florian estudou arte em Manchester, na Inglaterra, e desenvolveu um fascínio por São Paulo desde que visitou a cidade pela primeira vez, em 1991, quando fez uma oficina de gravura no Museu Lasar Segall.  De lá para cá, passou mais três temporadas na cidade, cada uma de quatro meses, desenhando “obsessivamente” bairros como o Brás e Centro, e fazendo pinturas, colagens e aquarelas inspiradas por essas regiões.
Usar a mesma chapa de cobre nas gravuras sobre o Jardim da Luz e investigar até quando ela duraria depois de sucessivas imersões no ácido para compor as obras funcionou como metáfora de repetidas visitas ao parque – em um processo de dois anos e meio de criação, recomposição de impressões e memórias.
Ele mostra os pedaços de cobre que sobraram da placa em seu ateliê. “Pensei que duraria meses e levou dois anos e meio para se desintegrar”, conta ele, que mora em Berlim há cinco anos, onde realizou exposições com as obras inspiradas em São Paulo. “O que faço é como uma escavação, como se eu fosse um arqueólogo da cidade, dos lugares. Procuro entender como funciona a energia de cada um deles.”

São Paulo é a maior inspiração de suas obras?
As principais são desenhar e a observação. Nas cidades que vivi, me senti realmente atraído por alguns lugares. Em Manchester, onde morei por muitos anos, há dois lugares que eu desenhei obsessivamente por 15 anos. De muitas maneiras, gosto de como os lugares parecem deslocados – se eu fosse mostrar todo o meu trabalho em uma exposição, ele pareceria ser de diferentes pintores.
Como na poesia de Fernando Pessoa, com diferentes personagens para diferentes lugares, gosto desse sentimento. Se for desenhar algo, preciso de muito tempo, de anos. O trabalho é uma mistura de memória, observação, imaginação – e tenho temas que me perseguem, ou que eu persigo, há muitos anos. Algumas partes de São Paulo se tornaram alguns deles. Quando estou na cidade, ou quando trabalho com temas da cidade, eu sinto muita afinidade, me sinto em casa, talvez por contraste ao lugar onde nasci, que era muito calmo e provinciano.
 O bairro do Brás sob a óptica particular do artista
Seu trabalho é um processo de digestão dos lugares. 
Você digere, o lugar digere você, você responde a isso, você fica mais velho, a memória muda, ou como você responde às experiências. Em São Paulo, a própria realidade física da cidade muda. Se visitarmos a cidade com alguns anos de distância, isso se torna um forte estímulo.
Há uma energia que é maior que a ideia de planejá-la ou controlá-la. A cidade é um organismo natural. Na observação da realidade europeia, a coisas são estáticas. Muitos estrangeiros ficam frustrados porque São Paulo não é organizada – está em constante evolução, historicamente isso nunca foi controlado. Na Europa se planeja muito mais. No Brasil, as pessoas vivem mais no presente.
Há uma atmosfera escura nas gravuras, o Jardim da Luz é visto de uma perspectiva bem peculiar. 
Para mim, o Jardim da Luz é um lugar totalmente particular. Porque todos vão até lá com um desejo – os homens velhos vão buscar as prostitutas e havia uma cena gay antigamente. E é muito silencioso e calmo lá dentro. Aos domingos, os músicos vão tocar.
É melancólico, mas de um modo lindo. Não é um lugar de festa e divertimento. As pessoas vão até lá com seus sonhos e esperanças, procurando felicidade por um tempo. Durante os anos 1990, quando a entrada do parque ainda era na Av. Tiradentes, tudo parecia onírico. Era claro, mas à medida que você caminhava para dentro, ia se tornando mais escuro, por causa da mata. Cortaram muitas árvores depois da reforma da Pinacoteca. Eu gostava muito também do bairro do Brás, com aqueles cheiros e oficinas – por ser industrial, me lembrava de Manchester. Desenhei muito o Edifício São Vito e outros prédios que foram destruídos.

 A Boca do Lixo e seus habitantes é tema de Foerster
Comente o processo de usar a mesma chapa de cobre.Queria descobrir quanto tempo ela aguentaria até ser fisicamente destruída, mas como registros de gravuras de cada etapa. À medida que me envolvi mais no processo fiquei mais fascinado – eu pensei que fosse durar alguns meses, mas durou dois anos e meio. Era como estar em um parque ou na natureza, com o tempo você olha para as coisas e elas se tornam belas formas individuais. Se você observar as árvores, elas também se desintegram, nós mesmos nos desintegramos, porque mudamos com o tempo. Com a arte dá para trabalhar dessa forma destrutiva, como no caso da chapa de cobre, e criar algo bonito.

'Luz – Decay and Transformation' está na Galeria Gravura Brasileira, Rua Dr. Franco da Rocha, 61, Perdizes (3624-9193/ até 3 de julho. Leia mais sobre Gravura Brasileira