concursos, exposições, curiosidades... sobre arte
escolhidos por MARIA PINTO
(Maria Regina Pinto Pereira)

http://maregina-arte.blogspot.com/

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Exposição "Sobre a mulher livre" - Bruna Alcantara, Bárbara Scarambone e Luiza de Alexandre - SP

FEMINISMO É TEMA DE MOSTRA COLETIVA NA GALERIA RECORTE
 

São Paulo, junho de 2018 – Abandono, racismo, machismo, violência. Com interpretações e técnicas distintas, mas sempre com a colagem em comum, as artistas plásticas Bárbara Scarambone, de Brasília, Bruna Alcantara, de Curitiba, e Luiza de Alexandre, do Rio de Janeiro, trazem para a Galeria Recorte, espaço multicultural localizado na região do Baixo Augusta, em São Paulo, a exposição coletiva "Sobre a mulher livre". A abertura da exposição acontece no próximo dia 28, a partir das 19h.
O feminismo é tema recorrente no trabalho das três artistas, mas cada uma aborda a questão de maneira distinta.
Bruna Alcantara, "bordadeira compulsiva" como se define, mescla a colagem com fotografias e bordados como forma de falar sobre mães solteiras e criticar o machismo. Seu trabalho revela momentos de sua vida, como a descoberta de uma gravidez não planejada ao se mudar para Portugal, onde foi estudar. Bruna participou por duas edições do "Festival Feminista do Porto" e também coleciona individuais em Curitiba, cidade onde vive e trabalha atualmente.
Bárbara Scarambone é uma artista autodidata nascida em Brasília, mas vive e trabalha em São Paulo desde 2006. Inspirada pela estética, pelas cores e sons psicodélicos dos anos 60, pelo surrealismo, pela força do feminino e do verdadeiro experimentalismo livre da geração "Beat", ela cria colagens feitas à mão com a técnica "cut & paste", faz experimentos com aquarela e assemblagens com papéis rasgados. Seus trabalhos são frequentemente encontrados em revistas e periódicos.
Luiza de Alexandre, carioca de Macaé e recém-chegada a São Paulo, encontrou na colagem a maneira de escoar pensamentos e sentimentos. Ela faz uso recorrente de imagens de mulheres negras até desdobrar no uso de cores e texturas puras. Autodidata, Luiza colaborou com trabalho de outros artistas "colab", e tem algumas de suas colagens publicadas em editoriais de moda e comportamento.
 "O feminismo une essas três mulheres, mas cada uma aborda a questão do seu ponto de vista. Bruna tem uma pegada mais política, crítica, chegando a demostrar isso com fotos do próprio corpo, bordadas e com colagens; Bárbara apresenta belos trabalhos minimalistas e cheio de cores, retratados com muita leveza, e Luiza mistura inúmeros elementos da natureza, sombras de personagens e temas fazendo um caos imagético", afirma Michele Micheletto, curadora da Galeria Recorte.
A exposição estará aberta ao público até 11 de agosto. Clique aqui para ver algumas obras da mostra.
SOBRE A GALERIA RECORTE
A Galeria Recorte é um espaço multicultural que reúne arte e bem estar. Única galeria de arte do Brasil voltada exclusivamente para obras que utilizam a técnica de colagem, foi idealizada pela arquiteta e empresária Anna Gadelha e tem a curadoria de Lucas Ribeiro “Pexão” e Michele Micheletto. Tem como principal característica apresentar artistas que estão despontando no mercado independente de arte. Inspirada em espaços híbridos pelo mundo, o local também conta com um café com opções veganas, uma barbearia e um salão de cabeleireiros.

Festival Interfoto 2018


O Festival INTERFOTO ITU 2018 lança convocatórias a artistas de todas as partes do mundo, tendo por objetivo construir, com os trabalhos selecionados, uma exposição coletiva dentro da programação do festival.
Convocatórias:
- Convocatória da Avistar:
Nesta convocatória, um desafio aos fotógrafos e artistas: A criação de uma imagem fotográfica inspirada nas aves, nas suas cores, suas formas, seu espírito de liberdade… Um desafio para que o fotógrafo e seu olhar, entrem em simbiose com elas em busca desta imagem inédita, pessoal, desafiadora e instigadora.
- Convocatória Roda da Vida:
Um instante, um click, um registro, uma lembrança, uma emoção, uma vida.
A fotografia e sua incrível capacidade de transformar momento em eternidade. A fotografia e sua incrível capacidade de criar momentos e lembranças imaginarias. A fotografia criando vidas, sonhos e desejos possíveis, ou não! Re-criar e re-escrever a roda da vida através da fotografia, desafio imagético proposto nesta Convocatória.
Quinze trabalhos em cada uma das convocatórias serão selecionados e contemplados com uma exposição coletiva em um dos espaços expositivos escolhido pela comissão organizadora.
Estão habilitados a participar da convocatória artistas nacionais e internacionais, residentes ou não no Brasil com idade mínima de dezoito anos. A inscrição será limitada por uma única imagem por artista (dípticos e trípticos serão considerados uma imagem).
CRONOGRAMA
– Inscrições: até 29 de junho/2018, via online
– Taxa de inscrição: não
– Premiação: exposição durante o Festival.

– Edital + Inscrição: http://bit.ly/2MCKPdz

15º Salão Nacional de Fotografia Pérsio Galembeck



O 15º Salão Nacional de Fotografia Pérsio Galembeck é promovido pela Prefeitura Municipal de Araras, por meio da Secretaria Municipal de Ação Cultural e Cidadania e faz parte do Calendário Cultural do Município de Araras. Destina-se a estimular o interesse pela fotografia, em todas as suas formas. Tem caráter exclusivamente cultural, sem vínculo à aquisição ou uso de qualquer bem, direito ou serviço e terá as inscrições abertas em todo o território nacional, para fotógrafos profissionais e amadores, brasileiros e estrangeiros radicados no Brasil, sem limite de idade.
O concurso terá duas categorias e cada participante poderá concorrer com até três fotografias em cada uma, sendo em ambas obrigatória a adequação ao tema proposto:
- Categoria Brasil: para fotógrafos residentes em qualquer cidade do país, com imagens que contemplem todo o território nacional.
- Categoria Araras: para fotógrafos residentes em qualquer cidade do país, com imagens realizadas exclusivamente no município de Araras/SP
O 15º Salão Nacional de Fotografia Pérsio Galembeck terá como tema A Força Feminina.
CRONOGRAMA
– Inscrições:
 até 1º de julho/2018, via email
– Taxa de inscrição: não
– Premiação: de R$ 800 a R$ 2.000, de acordo com a classificação e a categoria inscrita.

– Edital + Ficha de Inscrição:
 http://bit.ly/2M2ToNI

palestra Música e pintura, identidade sonora e identidade visual - - Gilberto Ferri - Auditório da Livraria Martins Fontes Paulista - APAP - SP

"Música e pintura, identidade sonora e identidade visual" que será
proferida pelo músico e compositor Gilberto Ferri.

Quando: 28 de junho dE 2018

Horário: 19 às 21h30

Local: Auditório da Livraria Martins Fontes Paulista

Endereço: Av. Paulista, 509 - Próximo ao metrô Brigadeiro



Todos os seres humanos possuem uma Identidade Sonora, que, como
uma impressão digital, os individualiza.

Nesse encontro, a partir de sua vivência e experiências com a
música,Ferri expõe suas ideias sobre esse tema, colocando aos participantes
questões que suscitam a possível correlação entre Identidade Sonora e
Identidade Visual. Nesse contexto, exemplos musicais de culturas diversas
e suas composições, dão suporte à fundamentação de suas considerações.

Desde 2013, a atual diretoria da APAP Associação Profissional de Artistas Plásticos de São Paulo, vem realizando no auditório da Livraria Martis Fontes Paulista o “Ciclo de Palestras”, cujo objetivo principal é
compreender as especificidades da profissão do artista plástico abordando importantes  temas teóricos, práticos e conceituais que fazem parte do seu cotidiano.

O "Ciclo de Palestras" é gratuíto a todo o público interessado.




A diretoria


Presidente: Walter Miranda                 Vice-Presidente: Cirton Genaro       
1º Tesoureiro: Fátima Lourenço             2º Tesoureiro: San Bertini
1º Secretário: Astrid Salles               2º Secretário: Heloize Rosa
Conselho Fiscal: Alcindo Moreira Filho, Cássio Lázaro e Gilberto Salvador
Conselho Consultivo: Ângelo Milani, Cesar Romero, Nelson Screnci, Ricardo
Aprígio e Yone di Alerigi


APAP Associação Profissional de Artistas Plásticos de São Paulo -
www.apap.art.br

Exposição ICEBERG - Fernando Velázquez - Zipper Galeria - SP





ICEBERG

Exposição individual de Fernando Velázquez na Zipper Galeria

Abertura: 21 de junho de 2018, às 19h

Em cartaz até 28 de julho de 2018

Dando sequência à sua pesquisa no campo da arte e tecnologia, o artista Fernando Velázquez apresenta sua terceira exposição individual na Zipper Galeria. Aberta no dia 21 de junho, “Iceberg” apresenta um conjunto de novos trabalhos que remetem ou exploram alegoricamente a figura do iceberg. “Enxergamos uma porção ínfima da totalidade do iceberg já que a maior parte da sua massa encontra-se submersa. Alegoricamente, poderíamos pensar que o nosso entendimento da realidade se assemelha a um iceberg já que necessariamente o campo do que conhecemos será infinitamente menor que o campo do que seria possível conhecer. O inconsciente, por exemplo, poderia ser a parte invisível de um iceberg chamado consciência", afirma o artista.

Ao admitir que o conhecimento a respeito de qualquer fenômeno será sempre relativo, parcial e incompleto, Velázquez se dispõe a pensar questões da contemporaneidade relacionadas ao crescente impacto da tecnologia no cotidiano e na nossa capacidade de estabelecer um diálogo crítico neste cenário. A exposição ocupa a galeria principal com uma instalação multimídia na qual lasers acoplados a totens de madeira desenham um grid ortogonal, como paralelos e meridianos em um mapa, em alusão à geografia e ao território. 

Cada totem – cuja estrutura formal remete à vegetação do mangue – é uma pequena estação inteligente que conta com um microcomputador e um sensor. Em conjunto, os totens se comunicam entre si, via wifi. Utilizando dados da movimentação do público na sala, como velocidade, posição e distância, um algoritmo de inteligência artificial altera a posição dos feixes de laser modificando a configuração do território. Por baixo dos feixes de laser, no chão da galeria, é projetado uma animação em vídeo que apresenta de maneira alegórica e sintética o conhecimento acumulado pela humanidade – alfabetos, mapas, patentes, documentos, fórmulas, fotografias – em assim um sistema que contrasta a inteligência artificial dos algoritmos e máquinas com a inteligência humana.

Complementa a experiência imersiva uma trilha sonora especializada em 4 canais, sincronizada aos lasers e à animação em vídeo. A trilha sonora será edição em um álbum em vinil, cujo rótulo permite a leitura por realidade aumentada. 

Um filme em realidade virtual em 360º (no qual icebergs flutuam e se modificam em um ambiente de gravidade não convencional) e um letreiro em neon com a inscrição "loop (mente a mente)” – sentença que emula a sintaxe de uma linguagem de programação e sugere que o entendimento da realidade é mediado pela mente e suas inerentes contradições e agenciamentos – completam o conjunto de trabalhos.

“Iceberg” fica em cartaz até 28 de julho.

Sobre o artista

Fernando Velázquez (Montevidéu, Uruguai, 1970 - vive e trabalha em São Paulo desde 1997) é artista multimídia. Suas obras incluem vídeos, instalações e objetos interativos, performances audiovisuais e imagens geradas com recursos algorítmicos. Explora a relação entre natureza e cultura, colocando em diálogo dois tópicos principais: as capacidades perceptivas do corpo humano e a mediação da realidade por dispositivos técnicos. Mestre em Moda, Arte e Cultura pelo Senac-SP, pós graduado em Video e Tecnologias On e Off-line pelo Mecad de Barcelona, participa de exposições no Brasil e no exterior com destaque para The Matter of Photography in the Americas, Cantor Arts Center, Stanford University (EUA, 2018); Reinventando o Mundo, Museu da Vale, (Vitória-ES, Brasil, 2013), Emoção Art.ficial Bienal de Arte e Tecnologia, Itaú Cultural (São Paulo, Brasil, 2012), Bienal do Mercosul (Porto Alegre, Brasil, 2009), Mapping Festival (Suiça, 2011), WRO Biennale (Polônia 2011) e o Pocket Film Festival no Centro Pompidou (Paris, 2007). Recebeu, dentre outros, o Premio Sergio Motta de Arte e Tecnologia (Brasil, 2009), Mídias Locativas Arte.Mov (Brasil, 2008) e o Vida Artificial (Espanha, 2008). Foi professor convidado na PUC-SP, FAAP-SP e Senac-SP e ministra palestras e workshops em instituições públicas, privadas e do terceiro setor como, Stony Brook University (Nova Iorque), Cyberfest (São Petesburgo, Rússia), Naustruch (Sabadell, Espanha), Visiones Sonoras (Morelia, México). Foi curador dentre outros do Festival Motomix (2007) e do Festival Manobra (2009), e das exposições Adrenalina (2014) e Periscopio (2016). Desde 2015 é o curador e diretor artístico do Red Bull Station em São Paulo.

Serviço

Iceberg 

Exposição individual de Fernando Velázquez na Zipper Galeria

Abertura: 21 de junho de 2018, às 19h

Em cartaz até 28 de julho de 2018

R. Estados Unidos 1494, Jardim América – Tel. (11) 4306-4306

Segunda a sexta, 10h/19h; sábado, 11h/17h

domingo, 17 de junho de 2018

V Premio Ankaria libro de artista


V Premio Ankaria libro de artista

La Fundación Ankaria convoca el V Premio Ankaria al Libro de Artista, iniciativa que se originó en 2014, asociada a la exposición “La Palabra Pintada”, y con la que se pretende impulsar la producción de libros de artista entre la comunidad creadora. Tras el éxito de ediciones pasadas, la Fundación ha decidido continuar con el proyecto y convocar la quinta edición del premio.

Los proyectos ganadores pasarán a formar parte de la próxima exposición en itinerancia de “La Palabra Pintada”. Esta muestra abarca una gran variedad de lenguajes plásticos y técnicas, como consecuencia de acoger a  diferentes artistas, y se revela como un ente vivo, en constante evolución, que crece con cada nueva edición y trata seguir aportando novedades al apasionante mundo del libro de artista. 

El premio se ha convertido en sus cuatro años de vida en el más importante que se convoca en España dentro de esta especialidad y está abierto a la participación de artistas plásticos procedentes de todo el mundo. A la pasada edición se presentaron un total de 345 proyectos.

https://www.fundacionankaria.org/proyectos/v-premio-ankaria-libro-de-artista/

see webpage | contact 

quinta-feira, 14 de junho de 2018

exposição GRAPHIAS - QUINZE ANOS - SP




exposição A IMAGEM E O HAICAI - Pinacoteca de São Bernardo do Campo



quarta-feira, 13 de junho de 2018

20ª Mostra Sesc Cariri de Culturas

 
O Sesc Ceará lançou edital de seleção para artistas e grupos de todo o Brasil que desejam integrar a programação da 20ª Mostra Sesc Cariri de Culturas. Considerado como um dos maiores projetos de difusão da cultura no País, neste ano o encontro acontece de 16 a 20 de novembro, em diversas cidades da região Sul do Ceará.
Poderão inscrever-se artistas ou grupos de artistas, nacionais, com representante legal maior de dezoito anos, nas áreas das artes cênicas (teatro, circo, dança), audiovisual, artes visuais, literatura e música.
A Mostra não tem caráter competitivo e se apresenta como espaço de estímulo à produção nas diversas áreas artísticas, com proposta de apresentações, vivências, ações formativas e intercâmbios para desenvolvimento de projetos colaborativos nas mais variadas categorias. Nesse esforço, grupos de tradição popular são convidados pelo Sesc.
Sobre a Mostra
Idealizada pelo Departamento Regional do Sesc Ceará, a Mostra Sesc Cariri de Culturas chega à 20ª edição como palco de difusão das mais diversificadas manifestações artísticas e culturais. A mostra cultural acontece na região do Cariri, que se transforma em cenário para apresentações de espetáculos de teatro, dança, exposições, shows, rodas literárias, performances poéticas, mostras de cinema e vídeo além de ações formativas e seminário.
CRONOGRAMA
– Inscrições:
 até 30 de junho/2018, via online
– Taxa de inscrição: não
– Premiação: cachê de R$ 1.930 a R$ 3.200, de acordo com a categoria artística inscrita.

– Regulamento + Ficha de Inscrição: 
http://bit.ly/2Jk28Cr

Museu da Energia de SP promove roda de conversa com artistas multimídia Guto Lacaz e Regina Silveira

Museu da Energia de SP promove roda de conversa com artistas multimídia Guto Lacaz e Regina Silveira
Como forma de marcar o término da exposição “Encontros Improváveis de um lugar em comum”, espaço recebe, no dia 23/6, os artistas Guto Lacaz e Regina Silveira, em bate papo sobre a relação da arte com a ciência

No dia 23 de junho, às 15 horas, o Museu da Energia de São Paulo recebe os premiados artistas multimídia Guto Lacaz e Regina Silveira para um bate-papo sobre a interação da arte com a ciência. A atividade marca o encerramento da exposição "Encontros improváveis de um lugar em comum", em suas últimas semanas no museu.
A mostra, com curadoria de Luciana Nemes, coordenadora do Museu, reúne obras dos artistas Cadu, Guto Lacaz, Paulo Nenflídio e Regina Silveira. Espalhadas pelos dois andares do Museu, os trabalhos dialogam, de forma particular, com os temas "água e energia", de forma a revelar uma intersecção entre ciência, tecnologia e artes.
Na obra Limiar, Regina Silveira interfere no espaço museológico projetando a palavra Luz. Desenhada, ela vai esmaecendo até tornar-se luz em 76 idiomas. Na escultura cinética "Pororoca", Guto Lacaz permite ao visitante "surfar" lentamente em meio a sua obra. O nome se refere à representação do encontro das correntes fluviais com as águas oceânicas, que causam grandes ondas e produzem um estrondo.
Segundo Luciana Nemes, a troca do público com as obras de arte tem sido positiva. "Para eles, por exemplo, a obra Limiar pulsa, traz mistério ao museu e ao mesmo tempo acolhe o visitante, quando este se depara com a palavra luz escrita na língua de seus antepassados", explica a curadora, referindo-se à diversidade da região do Bom Retiro e Campos Elíseos, onde o museu encontra-se instalado, e que é residência e local de trabalho de pessoas de diversas nacionalidades. A coordenadora também será responsável pela mediação da roda de conversa com os artistas.
SERVIÇO
ENCERRAMENTO DA MOSTRA “ENCONTROS IMPROVÁVEIS DE UM LUGAR EM COMUM” | RODA DE CONVERSA COM GUTO LACAZ E REGINA SILVEIRA
Quando? 23 de junho de 2018, às 15 horas.
Endereço: Museu da Energia - Alameda Nothmann, 184, Campos Elíseos, São Paulo – SP
Funcionamento do Museu da Energia: terça a sábado, das 10 às 17 horas.
Informações11 3224 1489 ou saopaulo@museudaenergia.org.br
ENTRADA GRATUITA
www.museudaenergia.org.br

Tomaz Viana fará visita guiada na sua exposição na Caixa Cultural no próximo sábado, 16

Tomaz Viana fará visita guiada na sua exposição na Caixa Cultural no próximo sábado, 16
TOZ – CULTURA INSÔNIA APRESENTA TELAS, ESCULTURAS E MANEQUINS QUE EXPLORAM A HISTÓRIA E CULTURA DE PERSONAGENS CRIADOS PELO ARTISTA
No próximo sábado (16), Tomaz Viana, o Toz, fará uma visita guiada na sua exposição “Toz – Cultura Insonia”, na Caixa Cultural Rio de Janeiro. As 50 senhas serão distribuídas a partir das 15h e o passeio começará às 16h. A mostra, que fica em cartaz até 26 de agosto, revela novos contornos do personagem Insonia, uma entidade noturna e onipresente. O projeto tem patrocínio da Caixa Econômica Federal e do Governo Federal. 
Durante a visita, Tomaz contará um pouco da história dos integrantes da civilização Insonia, suas influências, o desenvolvimento de sua cultura, a relação com sua história, sua genealogia e o vínculo com novas raízes. O público poderá conferir 10 telas e esculturas de materiais diversos, manequins especialmente criados para este projeto com pinturas e figurino pensados e elaborados pelo artista e sua equipe, além de uma grande instalação interativa.

Sobre Tomaz Viana:
Tomaz Viana nasceu em Salvador, em 1976. Formado em Arte e Design, mora e trabalha no Rio de Janeiro. Grafitando há cerca de 20 anos, participou de vários eventos no Brasil e no exterior. A partir de 2013, Toz inicia a pintura de painéis de grandes tamanhos, entre eles, o painel de grafite de 2000 m2, localizado na região histórica do Pier Mauá, no Rio de Janeiro, e a fachada de 80 metros de altura do Hotel Marina, na praia do Leblon, Rio de Janeiro, em 2015.
Os diferentes personagens que integram sua obra estão espalhados em diversas cores e padronagens nos muros da cidade, em bairros como Jardim Botânico, Gávea, Rio Comprido, Catumbi, Santa Teresa e Zona Portuária. Internacionalmente, já realizou trabalhos em Paris, Genebra, Lisboa e Miami.
O desenvolvimento dos seus dois últimos personagens – Insonia e Vendedor de Alegria - marca o início de uma nova etapa em sua obra, onde passa a trabalhar com novos padrões. A temática da passagem da noite para o dia, materializada nesses dois personagens, permite uma nova cartela de cores. A técnica do spray é complementada com tinta óleo e diversos materiais para detalhes e contornos.
Em 2014, fez sua primeira exposição institucional individual: Metamorfose, no Centro Cultural Hélio Oiticica, no Rio de Janeiro. No ano seguinte, 2015, abre sua primeira exposição individual em Paris com a Instalação Vendedor de Alegria, que ficou exposta entre agosto e novembro, em parceria com o Projeto SCOPE da Prefeitura do 13°Arrondissement de Paris. Em 2016, foi convidado para realizar dois painéis de grafite indoor em Nova York (Chelsea) e Hong Kong (Wan Chai) e, no final do mesmo ano, veio o convite da Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira para pintar um carro alegórico do Carnaval de 2017.

Serviço:
Exposição Toz- Cultura Insônia
Entrada Franca
Local: CAIXA Cultural Rio de Janeiro – Galeria 3
Endereço: Av. Almirante Barroso, 25 – Centro (Metrô e VLT: Estação Carioca)
Telefone: (21) 3980-3815
Abertura: 29 de maio (terça-feira), às 18h
Visitação: de 30 de maio a 26 de agosto de 2018
Horário: de terça-feira a domingo, das 10h às 21h
Classificação Indicativa: Livre
Patrocínio: Caixa Econômica Federal e Governo Federal
Acesso para pessoas com deficiência

programação no CURTA!

Cildo Meireles no documentário “Ouvir o Rio: uma escultura sonora de Cildo Meireles”

No ano em que completa 70 anos de idade e 50 de carreira, Cildo Meireles é destaque no Curta! na Terça das Artes

NA SEGUNDA DA MÚSICA, BAIANASYSTEM E DOMENICO LANCELLOTTI FAZEM RELEITURAS DE CANÇÕES DE PEDRO SANTOS

Na Terça das Artes, 19, às 22h, estreia no Curta! o documentário “Ouvir o Rio: uma escultura sonora de Cildo Meireles”, que revela os processos de criação e investigação do artista plástico Cildo Meireles para realizar sua obra “Rio Oir”. A cineasta Marcela Lordy acompanhou o trabalho de Cildo enquanto ele captava os sons das principais bacias hidrográficas do país, buscando estabelecer a relação entre o homem e água e transmiti-la em uma escultura sonora. Completando 70 anos de vida, sendo 50 deles dedicados às artes, Cildo Meireles tem na natureza uma das suas principais temáticas e chama a atenção para a importância da preservação ambiental através de seus trabalhos.

Quem também completaria cinco décadas de estrada seria o músico Pedro Santos, que, em 1968, lançou seu único álbum: “Krishnanda”. Apesar de ser um aclamado instrumentista na época, tendo tocado com nomes como Maria Bethânia, Baden Powell e Paul Simon, Santos teve seu disco ignorado por público e crítica. Mas essa importante obra musical será resgatada agora no episódio inédito de “Os Ímpares”, que vai ao ar na Segunda da Música, 18, às 20h. BayanaSystem e Domenico Lancellotti apresentam releituras inéditas e exclusivas para duas canções do álbum e Sebastião Tapajós, que tocou em “Krishnanda”, relembra o amigo Pedro e o processo de composição e gravação do disco. Com direção de Henrique Alqualo e Isis Mello e direção musical de Berna Ceppas, a série "Os Ímpares" traz, ao longo de 10 episódios, figuras da música brasileira contemporânea como Criolo, Bayana System e Tulipa Ruiz para realizar releituras inéditas de álbuns de Jards Macalé, Di Melo, Itamar Assumpção, Walter Franco, Jorge Mautner, Pedro Santos, Ronnie Von, Verocai, Marku Ribas e Sérgio Sampaio.

Partindo da música para a pintura, o novo episódio de “A História Oculta das Obras de Arte”, exibido na Terça das Artes, 19, às 20h, revela segredos de trabalhos icônicos do pintor Rafael. Considerado um dos principais artistas do Renascimento italiano, Rafael ficou conhecido como “Príncipe dos Pintores” por sempre buscar a perfeição das formas, a delicadeza e a suavidade em suas obras. Ao longo de sua carreira, trabalhou em murais e igrejas, além de pinturas que hoje figuram em alguns dos principais museus do mundo, como “Madona do Baldaquino” (1508) e “Transfiguração” (1520). Uma iniciativa do Museu do Louvre, em Paris, a série expõe a intrigante e quase desconhecida história do quadro "A Fuga para o Egito". Essa e outras obras do artista são analisadas por alguns dos mais importantes especialistas em arte do mundo.

Na Quarta de Cinema, 20, às 20h, a faixa “A Vida é Curta!” apresenta uma seleção de filmes sobre pontos de vista. Abrindo a sessão, estreia “Ofusca”, de Flávio Frederico. Com Fernando Alves Pinto, Júlia Feldens e Petrônio Gontijo no elenco, a produção apresenta quatro pontos de vista, um triângulo amoroso e um carro. Em seguida, “Uma vida inteira”, dirigido por Bel Ribeiro e Ricardo Santini e estrelado por Alice Braga, revela tudo que pode acontecer entre a primeira noite de um casal e a premonição do fim do relacionamento. Para finalizar, “Lição de Esqui”, dos diretores Leonardo Mouramateus e Samuel Brasileiro. Filmado em Fortaleza, o filme conta a história de dois amigos que discutem, brigam, e conversam quando um deles decide viajar sozinho para o Canadá. “Lição de Esqui” foi escolhido como melhor curta-metragem no Festival de Brasília de 2013.

Um pouco mais tarde, também na Quarta de Cinema, 20, às 23h40, a série “Projeções” traz o depoimento do diretor César Cabral. Com produções em animação na carreira, entre elas o curta de animação premiado 'Dossiê Rê Bordosa', César Cabral revela seu processo de criação, desafios e conquistas enquanto imagens de suas principais obras são projetadas. A série “Projeções” é uma produção do Itaú Cultural gentilmente cedida ao Curta! que busca tratar do mais recente cinema expandido brasileiro, em seus diferentes gêneros e formatos.

Na Quinta do Pensamento, 21, às 23h30, o episódio da série “Alegorias do Brasil” expõe os ecos de nosso passado escravocrata nos dias hoje. Em “A Querela do Brasil”, intelectuais como Thula Pires, Ynaê Lopes dos Santos e Luiz Antônio Simas debatem os desdobramentos do precário e inconclusivo processo de abolição da escravidão no país e o racismo que o acompanhou. Em 13 episódios, a série documental, primeira produção de Murilo Salles para TV, explora as alegorias brasileiras - ou seja, as expressões culturais que afirmam a nossa identidade – colocando-as em discussão e análise por escritores, pensadores, filósofos e personalidades da atualidade. “Alegorias do Brasil” é uma produção da Cinema Brasil Digital com financiamento do Fundo Setorial do Audiovisual da ANCINE.

Na Sexta da Sociedade, 22, às 22h05, será apresentada a vida de Angela Davis, professora de filosofia que se destacou por seu engajamento em defesa dos direitos humanos, especialmente das mulheres e dos negros. Dirigido por Shola Lynch, o documentário “Libertem Angela Davis” reconstitui o período de sua prisão em 1970, que, na época, provocou uma grande campanha por sua libertação, contando inclusive com músicas compostas por John Lennon e Rolling Stones em suas defesa. Davis acabou sendo inocentada e, até hoje, é símbolo na luta pelos direitos civis.



SEGUNDA DA MÚSICA
Os Ímpares (Série Musical) – Pedro Santos: Baiana System e Domênico Lancellotti
Baiana System relê a música “Desengano da Visita” do álbum Krishnanda de Pedro Santos. Domenico Lancellotti também é convidado e cria sua versão de Ritual Negro. Sebastião Tapajós relembra o amigo Pedro.
Os Ímpares é uma série documental que tem como tema a releitura de álbuns experimentais das décadas de 60 e 70 que não tiveram o devido reconhecimento na época do seu lançamento.

Diretores: Henrique Alqualo e Isis Mello
Duração: 27 min.
Estreia: 18 de junho, segunda-feira, às 20h.
Classificação: Livre.
Horários alternativos:
19 de junho, terça-feira, às 14h
20 de junho, quarta-feira, às 8h

TERÇA DAS ARTES
História Oculta das Obras de Arte (Série) – Rafael
Em uma iniciativa do Museu do Louvre em Paris, os segredos por trás das obras de mestres como Rembrandt, Leonardo da Vinci, Raphael e Goya são analisados por alguns dos mais importantes especialistas em arte do mundo. Neste episódio, as discussões se voltam para Rafael um dos maiores artistas da Renascença. Dois dos principais especialistas na obra do pintor (Paul Joannides e Pierre Curie) acompanham os debates e compartilham suas análises.


Diretores: Stan Neumann e Juliette Garcias
Duração: 52 min.
Exibição: 19 de junho, terça-feira, às 20h.
Classificação: Livre.
Horários alternativos:
20 de junho, quarta-feira, às 14h
21 de junho, quinta-feira, às 8h

Ouvir o Rio: uma escultura sonora de Cildo Meireles (Documentário)
Cildo mostra como a relação do homem com a água amplia nossas percepções, criando uma espécie de escultura sonora. O artista naturalmente chama atenção para temas ecológicos e a importância de preservar este elemento fundamental para a vida.


Diretora: Marcela Lordy
Duração: 79 min.
Exibição: 19 de junho, terça-feira, às 22h.
Classificação: Livre.
Horários alternativos:
20 de junho, quarta-feira, às 16h
21 de junho, quinta-feira, às 10h


QUARTA DE CINEMA
A faixa “A Vida é Curta” traz o tema Pontos de Vista, apresentando os filmes “Ofusca”, “Uma Vida Inteira” e “Lição de Esqui”.
Exibição: 20 de junho, quarta-feira, às 20h.
Classificação: Livre.
Horários alternativos:
21 de junho, quinta-feira, às 14h
22 de junho, sexta-feira, às 8h

Projeções (Série) – Cesar Cabral
A série Projeções joga luz sobre o mais recente cinema expandido brasileiro, em seus diferentes gêneros e formatos. Neste episódio, os diferentes gêneros no stop-motion em "Dossiê Rê Bordosa" e "Tempestade", filmes de Cesar Cabral.


Diretora: Renata Druck
Duração: 14 min.
Exibição: 20 de junho, quarta-feira, às 23h40.
Classificação: 10 anos
Horários alternativos:
21 de junho, quinta-feira, às 17h40
22 de junho, sexta-feira, às 11h40

QUINTA DO PENSAMENTO
Alegorias do Brasil (Série) – A Querela do Brasil
Retratada tantas vezes nas cores amenas da aquarela, a escravidão constituiu, no entanto, a nada amena querela do Brasil. Talvez a principal chaga do país, tendo em vista que sua abolição foi precária e inconclusa. O passado escravocrata e o racismo que o acompanhou – separando brancos como humanos e negros como não humanos – permanece ecoando no presente do país.


Diretor: Murilo Salles
Duração: 26 min.
Exibição: 21 de junho, quinta-feira, às 23h30
Classificação: Livre
Horários alternativos:
22 de junho, sexta-feira, às 17h30
24 de junho, domingo, às 10h15

SEXTA DA SOCIEDADE
Libertem Angela Davis (Documentário)
O documentário retrata a vida de Angela Davis, uma jovem professora universitária nascida no Alabama e conhecida pelo seu interesse na defesa dos direitos humanos. Ao ficar do lado de três prisioneiros negros nos anos 1970, ela entra para a lista das dez pessoas mais procuradas do FBI e se torna a mulher mais caçada dos Estados Unidos.


Diretora: Shola Lynch
Duração: 97 min.
Exibição: 22 de junho, sexta-feira, às 22h05
Classificação: 12 anos
Horários alternativos:
24 de junho, domingo, à 15h50
26 de junho, segunda-feira, às 10h05

Sobre o Curta!
Dedicado às artes, à cultura e às humanidades, o Curta! é um canal independente que acolhe a experimentação e se orgulha de ser um parceiro dos realizadores, artistas, criadores e produtores. Com o compromisso de transmitir 12 horas por dia de programação nacional independente, o canal pauta a sua programação pelos seguintes temas: música, dança, teatro, artes visuais, arquitetura, metacinema, filosofia, literatura, história política e sociedade.
O Curta! pode ser visto nos canais 56 e 556 da NET e da Claro TV, no canal 75 da Oi TV e no canal 664 da Vivo, oferecido à la carte pela operadora. Siga o Curta! nas redes sociais: www.facebook.com/CanalCurta, https://twitter.com/canalcurta e www.youtube.com/user/canalcurta.