concursos, exposições, curiosidades... sobre arte
escolhidos por MARIA PINTO
(Maria Regina Pinto Pereira)

http://maregina-arte.blogspot.com/

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

PROJETO “NÃO SOU DAQUI, NEM SOU DE LÁ. GESTÃO, CURADORIA E RESIDÊNCIA ARTÍSTICA EM REDE” DA GALERIA PENÍNSULA

CONTEMPLADO NO PROGRAMA REDE NACIONAL FUNARTE ARTES VISUAIS 12ª EDIÇÃO, O PROJETO “NÃO SOU DAQUI, NEM SOU DE LÁ. GESTÃO, CURADORIA E RESIDÊNCIA ARTÍSTICA EM REDE” DA GALERIA PENÍNSULA, ABRE CONVOCATÓRIA PÚBLICA PARA A SELEÇÃO DE 1 ARTISTA VISUAL PARA A REALIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA NO PERÍODO DE 9 DE FEVEREIRO A 14 DE MARÇO DE 2017.

A CONVOCATÓRIA ESTÁ ABERTA PARA ARTISTAS RESIDENTES NO BRASIL (EXCETO NO RIO GRANDE DO SUL) E AMÉRICA LATINA, PROFISSIONALMENTE ATIVOS HÁ PELO MENOS 4 ANOS.

PARA TAL AÇÃO A GALERIA OFERECE UMA VERBA DE R$6.000,00 (SEIS MIL REAIS) QUE DEVERÁ COMPREENDER HONORÁRIOS, PESQUISA, PRODUÇÃO DE INSTALAÇÃO/EXPOSIÇÃO E PASSAGEM AÉREA. A HOSPEDAGEM SERÁ SOLIDÁRIA - O ARTISTA SELECIONADO FICARÁ HOSPEDADO NA RESIDÊNCIA DE UM ARTISTA DE PORTO ALEGRE DURANTE TODA A REALIZAÇÃO DO PROGRAMA, SEM QUALQUER CUSTO.

O ARTISTA SELECIONADO CONTARÁ AINDA COM ACOMPANHAMENTO CURATORIAL PARA O DESENVOLVIMENTO DO SEU PROJETO. O PROGRAMA PREVÊ INTERLOCUÇÃO PRESENCIAL E À DISTÂNCIA.

A GALERIA PENÍNSULA É UM ESPAÇO DE ARTE AUTÔNOMO, GERIDO EXCLUSIVAMENTE POR ARTISTAS, QUE DEDICA SUA ATENÇÃO AO CAMPO ARTÍSTICO, SUAS PRÁTICAS E INVESTIGAÇÕES, E QUE TEM COMO OBJETIVO CENTRAL CONSTRUIR MODOS PRÓPRIOS DE PRODUZIR E DISSEMINAR A ARTE CONTEMPORÂNEA. DESTE MODO, NOSSO OBJETIVO COM ESTE PROJETO É ALÉM DE CONECTAR O ARTISTA RESIDENTE COM A CENA ARTÍSTICA LOCAL ATRAVÉS DA PRÁTICA ARTÍSTICA, ESTABELECER CONEXÕES E POSSIBILIDADES DE INTERCÂMBIO QUE POSSAM IR ALÉM DO PRÓPRIO PROJETO CONFORMANDO E/OU FORTALECENDO UMA REDE PROFÍCUA DE PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM ARTE.

INSCRIÇÕES PELO LINK: https://goo.gl/rellD6

EQUIPE DO PROJETO:

Artistas-gestores Península
 Andressa Cantergiani, Denis Rodriguez e Leonardo Remor

Coordenadora Curatorial e Editorial
 Mônica Hoff

Curadores e gestores em circulação
 Camila Fialho
 Fernanda Brenner
 Kamilla Nunes
 Nadam Guerra
 Paula Borghi


Espaços em rede
 Fotoativa
 Galeria Península
 Pivô
 Saracura
 Terra Una

#Encontro de Garagem - Museu de Arte Bunkyo - SP


quarta-feira, 28 de setembro de 2016

German Lorca Apresenta a Exposição Fotográfica “Arte Ofício/Artifício”, no Sesc Bom Retiro

German Lorca Apresenta a Exposição Fotográfica “Arte Ofício/Artifício”, no Sesc Bom Retiro
Toda a inquietude, ângulos inusitados e experimentalismo do pioneiro da fotografia artística no Brasil

Entre 27 de outubro de 2016 e 26 de fevereiro de 2017, o Sesc Bom Retiro realizará a exposição fotográfica Arte Ofício/Artifício, de German Lorca, com curadoria de Eder Chiodetto, no Espaço Expositivo, 2º andar. O projeto, primeiro em que o artista irá exibir fotos coloridas, compreenderá um apanhado com seus trabalhos desde o início de sua carreira, quando ingressou no Cine Fotoclube Bandeirante na década de 40, passando por suas colaborações com reportagens, publicidade e produções autorais. O fotógrafo hoje, aos 94 anos, colabora e influencia ativamente com apuro técnico e estético para a fotografia no Brasil.
Veja algumas fotos em https://we.tl/k5aZC3eM6L

Arte Ofício/Artifício reafirma o fato de que Lorca sempre teve a fotografia como profissão, e que através de suas experimentações, usou diferentes técnicas para a criação de imagens como a solarização, jogos de luz e sombras e contraposições de positivos e negativos.

A mostra contará com aproximadamente 60 fotos dispostas em três núcleos, que colocarão o fotógrafo diante do público, em suas múltiplas atrações nos campos da fotografia experimental, publicitária e em cores. Algumas das imagens apresentadas serão inéditas, reafirmando a pluralidade deste ícone da fotografia brasileira e um dos responsáveis pela sua renovação.

Toda inventividade e experimentação de Lorca irá compor o núcleo experimental da mostra. Ela demarcará um período na vida do artista que, influenciado por Geraldo de Barros, aventurou-se pelo livre universo das fotoformas. Entre as fotos expostas estarão Menino Correndo (1960), com uma dupla exposição em um mesmo negativo; Fumante (1954), em que foi utilizado o processo de solarização (breve exposição do papel fotográfico impresso a luz que cria uma foto surrealista), ePositivo Negativo (1954), em que foi utilizada a técnica da exploração do preto e branco com a inversão negativo-positivo. Nesse mesmo período, German Lorca documentou a inauguração da Catedral da Sé e foi convidado como fotógrafo oficial da comemoração do IV Centenário de São Paulo. 

Outro nicho da exposição é o de imagens publicitárias. Percebendo o início da demanda por fotos comerciais no Brasil, durante as décadas de 40 e 50, o artista iniciou a produção de campanhas publicitárias, inaugurando estúdio próprio, o que ampliou seu processo de criação que passou a ter fotografias técnicas, industriais, comerciais e jornalísticas. Em Pernas (1960), fotografia feita para o anúncio de meias feministas, Lorca inspirou-se no surrealismo, contrapondo as pernas femininas com as de uma mesa. Já em Moda (1970), as extintas lojas Mappin utilizaria como encarte publicitário, fotografia que explorava o desfoque e o auto-contraste, recursos ousados para a época. Outra imagem famosa é a campanha feita para a indústria de louças, em Pratos (1970), o artista usou flashs eletrônicos e uma pilha de pratos de plástico, como se tivessem indo para o chão, como recursos criativos para conseguir uma imagem que representasse uma torre feita de pratos caindo no chão.

Com o avanço das agências publicitárias no Brasil, foi crescente a pressão para se produzir fotos em cores, presentes no terceiro núcleo da mostra. Naquela década, não havia a estrutura de modelos, diretores de arte, ou qualquer recurso utilizado atualmente. Na década de 70, com a cor incorporada em seu trabalho, Lorca começou a desenvolver pesquisas para fotos coloridas, com a mesma versatilidade com que produzia em preto e branco. Sobreposições, alteração de contrastes ou até mesmo fotografias diretas que nos remetem a jogos cromáticos, ao surrealismo perpassam toda a carreira do fotógrafo, artista, repórter e publicitário.

As imagens reunidas nesta exposição confirmam a latência do trabalho de Lorca e a astúcia do seu olhar em capturar cenas banais de um cotidiano real que nos causam estranhamento ao mesmo passo que nos extasiam. Em suas fotografias, o artista retrata a desconstrução não apenas da imagem, mas de uma sociedade que se construía a partir de sua desconstrução. A vida que seguia em expansão, em uma São Paulo que desejava reinvenção na avidez do modernismo.

Seguindo o conceito de contraposições e influências geométricas utilizados no trabalho de Lorca, na fachada da unidade Sesc Bom Retiro serão plotados o título, Arte  Ofício/Artifício, o nome do fotógrafo e período expositivo, com um jogo de letras sobrepostas, fazendo um convite a todos que passam em frente ao prédio. Ao entrar na Praça de Convivência, no térreo, o público verá no vão central da unidade, pendurado em vigas no teto, um grande móbile com enormes placas feitas em acrílico colorido, formando o nome de German Lorca, que poderão ser vistos com diferentes efeitos, em cada um dos três andares da unidade. Também estarão à disposição dos visitantes catálogo da mostra, com 64 páginas, que seguirá a mesma identidade visual proposta para o ambiente interno do Sesc.

Para o Sesc São Paulo, receber German Lorca e afirmar sua potência poética, reaviva os valores institucionais, promove o estímulo à fruição em diferentes linguagens artísticas e o processo contínuo de olhar além do comum.


Sobre German Lorca

O artista nasceu em São Paulo, no ano de 1922, década que foi libertária em vários campos do conhecimento, em um momento em que o estado das coisas impactou profundamente o comportamento da humanidade e as artes em geral. Uma época que promoveu as mudanças mais estruturais na forma de se praticar e pensar a arte.
Lorca formou-se em Ciências Contábeis pelo Liceu Acadêmico, mas quando decidiu deixar a contabilidade, seus pais não puderam acreditar que ele deixaria a segurança de um emprego por uma nova paixão, a fotografia. Ao adotar uma profissão incomum no final da década de 40, ele conseguiu se tornar uma referência em fotos artísticas e publicitárias. Sua infância no bairro do Brás do começo do século XX influenciou a formação de seu olhar e o ajudou a cultivar um dos maiores acervos particulares de fotos da capital paulistana.

Em 1949, participou do Foto Cine Clube Bandeirante (FCCB), associação de fotógrafos que introduziram novas tendências na fotografia, como José Yalenti (1895-1967), Thomaz Farkas (1924-2011) e Geraldo de Barros (1923-1998). Registrou a paisagem da cidade de São Paulo, em especial os locais da região central, como a Praça da Sé. Abriu estúdio próprio em 1952. Em 1954, foi o fotógrafo oficial das comemorações do IV Centenário da Cidade de São Paulo, com fotos que ficaram conhecidas por capturarem ângulos inusitados de políticos e personalidades da época, como Getúlio Vargas, Jânio Quadros e Orlando Villas-Boas. A partir dessa data, Lorca dedicou-se com exclusividade à fotografia, atuando principalmente em fotografias técnicas e publicitárias, atendendo a demanda de um mercado em expansão nas décadas que se seguiriam, mas sem abandonar a fotografia autoral e a documentação da cidade, temas recorrentes em sua produção.

A visitação é gratuita, de terça a sexta, das 9h às 20h; sábados, das 10h às 20h, domingos e feriados, das 10h às 18h. O endereço do Sesc Bom Retiro é Al. Nothmann, 185. Mais informações pelo telefone 3332-3600; pelo portal www.sescsp.org.br

Serviço:
Exposição Fotográfica Arte Ofício/Artifício

Abertura: dia 27/10, quinta, às 19h.
De 27/10 a 26/2. De terça a sexta, das 9h às 20h; sábados, das 10h às 18h, domingos e feriados, das 10h às 17h. Livre. Grátis. Espaço de Exposições -2º andar.
Local: Sesc Bom Retiro - Alameda Nothmann, 185 - Bom Retiro, São Paulo
Al. Nothmann,185 – Campos Elíseos.
Acessibilidade: Entrada com acesso para pessoas com deficiência e mobilidade reduzida.
Estacionamento próprio. Valores:
Com apresentação de Credencial Plena - R$ 4,50 até uma hora; R$ 1,50 adicional por hora.
Não credenciados - R$ 10,00 até uma hora; R$ 2,50 adicional por hora. Tel: 3332 3600.
Horário de funcionamento da unidade: de terça a sexta, das 9h às 20h30; sábados das 10h às 18h30; domingos e feriados, das 10h às17h30.

4ª Bienal Internacional de Gravura Livio Abramo - Araraquara - SP / 4th International Print Biennale Livio Abramo - Araraquara - Sao Paulo - BR


Muito honrada em ter sido mais uma vez convidada a fazer parte dessa bienal.

Palestra com Sarah Meister e Iata Cannabrava - Itaú Cultural

Graziela Pinto na Art Rio


  

Graziela Pinto na Art Rio
Aos 39 anos, a artista plástica paulistana Graziela Pinto participa da Art Rio levando uma síntese de suas obras, que retratam a natureza de forma única e particular.

Graziela Pinto, artista plástica conhecida pelos seus trabalhos com esferas faz sua estreia na Art Rio 2016.
A artista leva ao evento carioca a nova fase de sua obra “Ora Bolas” com pinturas de esferas coloridas e, que agora, se apresentam de maneira tridimensional, além de uma série de fotografias do trabalho “Um minuto da sua pele” e uma instalação que será realizada no local intitulada de “Queda d’ água”, feita a partir de trancas construídos pela artista e tecidos doados pelo Projeto Arrastão.
“Queda d’água – sintetiza a integração da arte com a natureza. A manipulação dos objetos reflete uma verdadeira experiência de elaboração, a transformação de um elemento vivo. As formas e os tecidos se entrelaçam formando uma cachoeira”, comenta Graziela Pinto.
Graziela tem um processo muito individual e artesanal para desenvolver suas obras. Com uma ligação forte com a natureza e as múltiplas formas que se pode trabalhar seus elementos, a artista, por meio da representação esférica, transcende a conexão entre o real e a natural por meio de pinturas, desenhos, fotos e instalações.
Representada no Rio de Janeiro pela Galeria Movimento, localizada em Copacabana, Graziela Pinto promete inquietar os sentidos do público.
Art Rio 2016
29.09 a 2.10
Pier Mauá
Avenida Rodrigues Alves, 10 Praça Mauá
Rio de Janeiro 
 

29°Premio Internazionale URBIS ET ARTIS 10-19 NOVEMBRE 2016


 
  
Curatela e organizzazione Gastone Ranieri Indoni
Urbis et Artis apre le iscrizioni al Premio internazionale finalizzato a valorizzare il lavoro e le esperienze artistiche che meglio esprimono l'evoluzione, i cambiamenti, le tendenze in opera nell'epoca contemporanea. Scopo del Premio è altresì di individuare personalità interessanti e innovative nel panorama artistico italiano e internazionale, cui contribuire a dare più ampia visibilità e riconoscimento, e con cui avviare una proficua e duratura collaborazione. La presente edizione si svolge in due tornate, o chiamate di concorso, da tenersi rispettivamente nei mesi di luglio e novembre 2016. In ciascuna chiamata sono invitati a partecipare artisti italiani e stranieri con la presentazione di loro opere, che verranno valutate da una giuria diesperti e inserite a formare la graduatoria finale per l'assegnazione del Premio.
Il concorso è suddiviso in tre sezioni: Pittura e grafica, Scultura, Fotografia. Ogni sezione produce una specifica e autonoma graduatoria finale, che si compone delle relative graduatorie parziali prodotte dalla giuria alla fine di ogni chiamata. All'interno di ogni sezione verrà indicato, quale miglior risultante dalla graduatoria finale a conclusione delle due chiamate previste, il progetto artistico vincitore e assegnatario del Premio. Verrà conferito il Premio a ciascuno dei vincitori assoluti delle tre sezioni.
Il Premio Internazionale Urbis et Artis esiste da oltre trent'anni, da quando il Comitato Scientifico di un' Associazione Culturale no profit, fondata a Milano nel 1979 da Gastone Ranieri Indoni e gestita da dodici artisti, chiamata allora "A Regola d'Arte", riconosceva agli artisti vincenti, tra pittori e scultori(allora la fotografia non era omologata) una splendente targa d'argento debitamente motivata. Una stagione irripetibile per la consistente risposta commerciale e il grande entusiasmo che allora avvolgeva l'ambito dell'arte che Urbis è concentrata a recuperare. Oggi ai tre vincitori viene assegnato come Premio Internazionale Urbis et Artis , un'opera del Maestro Sergio Gotti del valore commerciale di € 5.000,00 (cinquemila euro). A tale preziosa opera sarà aggiunto, al contempo, un controvalore editoriale di circa € 7.500,00 rappresentato da una forte azione di sostegno redazionale e professionale alle loro attività artistiche attraverso articoli e pubblicazioni sullarivista d'arte bimestrale International Urbis et Artis, sul suo allegato La Vetrina dell'Arte, sull' Agenda Artistica esull' Albo degli artisti d'Italia; tutte pubblicazioni di evidente spessore culturale ed estetico editate da anni da Urbis et Artis. Il Comitato Scientifico della Urbis et Artis, attribuendo il Premio all'artista prescelto nella propria specialità, vuole trasmettere il concetto che l'Arte stessa premia i suoi protagonisti.
Il Premio Internazionale Urbis et Artis ha incrementato la sua fama nel tempo perché è assegnato ogni anno anche a professionisti cosiddettibenemeriti distintisi nel campo della cultura, dell'arte e dell'attenzione sociale. Tra loro spiccano eminenti personaggi che hanno aggiunto valore a valore alla Urbis et Artis, che è nata e resta Associazione culturale no profit, che ha compreso, tra tanti, Salvatore Accardo, Madre Teresa di Calcutta, Gabriella Ferri, Carla Mazzoni, Ennio Calabria, Valan, Alberto Moioli, Amintore Fanfani, Giulio Rapetti Mogol, Franco Costa, Claudio Strinati, Gianni Berengo Gardin, Francesca Zuccari, Giammarco Puntelli, Giulia Cricelli Caracciolo, Marzio Dall'Acqua, PhilippeD'Averio, Raffaella Ferrari ecc.. . Quest'anno farà gli onori di casa il Maestro Sergio Gottiautore dell'opera che rappresenta il Premio già entrato a buon diritto nella Storia dell'Arte Contemporanea e alla cui competenza e limpidezza intellettuale sempre più mercanti d'arte e operatori ricorrono. 
Urbis et Artis
, offre la sua ultratrentennale esperienza spesa ad assistere, coadiuvare, promuovere artisti emergenti o di acclarata fama, contribuendo sempre in modo corretto ad affermarne e accrescerne nel tempo valore e quotazioni. In questo è brillantemente coadiuvata sia dalla Associazione Romana della Rosa, di cui è Presidente la critica letteraria Prof.ssa Rosa Simonelli Macchi, che si occupa specificatamente di letteratura e poesia, sia dalla Associazione A Regola d'arte specializzata in Eventi, avvenimenti, spettacoli e ricorrenze.

Contesto - Location
GALLERIA PULCHERRIMA 
di Via Merulana 44/45 00185 Romasituata tra Stazione Termini e Piazza San Giovanni in Lateranoaccogliente come pochi siti analoghi con i suoi 300 mq di estensione, è un' oasi ideale d'incontri internazionali, di importanti eventi come Lectio Magistralis, di manifestazioni culturali che culminano con le più qualificate Mostre d'arte capaci di consegnare ed assicurare agli artisti che vi espongono il prestigio più carismatico.
L'Offerta Comprende:
Allestimento; inviti; Banner esterno di presentazione; Totem all'ingresso; Benvenuto della Presidente Urbis et Artis Cavaliere del lavoro, Anna Salvati, e della Presidente di A Regola d'Arte Prof.ssa Rosa Simonelli Macchi; Vernissage con presentazione della critica d'arte e gallerista dott.ssa Carla Mazzoni; del critico d'arte e direttore artistico di U&A dott. Francesco Giulio Farachi; Comunicato e Conferenza Stampa della dott.ssa Erika Eramo direttore responsabile della rivista U&A: il tutto alla presenza, oltre che dell'Agenzia ADN Kronos, di altre importanti testate giornalistiche ; ricevimento con buffet e/o Vin d'honneur di apertura Mostra; presenza full time di personale addetto alla Mostra; guardiania diurna e notturna; presenza continua di almeno uno dei curatori; ricezione e apertura al pubblico dalle h 10,00 alle 19,00 senza interruzione tutti i giorni domenica inclusa. Inoltre tutti i partecipanti delle due (2) tornate, sono pubblicati nel numero successivo della rivista di Urbis et Artis e ricevono presenza e menzione nel catalogo generale di tutti gli artisti partecipanti alla Mostra - Premio .
Partecipazione
L'accettazione delle opere, sempre vincolata al rispetto dei tempi di consegna e ricezione, è altresì subordinata a garanzia della qualità della manifestazione. L'artista che si propone deve compilare l'apposito modulo allegato, inviandolo unitamente al versamento di € 70,00 (settanta euro) che, in caso di mancata accettazione dell'opera ricevuta, gli verranno restituiti.
Dimensione opere
Le dimensioni dei dipinti, delle incisioni e delle fotografie, non dovranno superare mt 1,00 di base e mt 1,00 di altezza, comunque la somma base+altezza non dovrà superare i mt 2,00; inoltre dovranno essere assolutamente prive di vetro e di cornice, e tassativamente munite di apposite attaccaglie. La base delle opere scultoree, in bronzo, ferro, legno o ceramica, non dovrà superare 1 mq; le opere dovranno essere attrezzate di piedistallo o di supporto e non superare il peso di 30 Kg. Nonostante il servizio di guardiania, la Urbis et Artis declina ogni tipo di responsabilità per quanto concerne eventuali danni arrecati a opere esposte e l'artista partecipante, se vuole, si può riassicurare personalmente.
Materiale da inviare per la partecipazione al Premio U&A 2016-2017:
Modulo di iscrizione compilato e firmato e copia di Ricevuta del versamento di € 70,00 la cui mancata ricezione annulla e fa decadere la richiesta di partecipazione.
Per la mostra del 10 novembre p.v. l'opera dovrà essere consegnata entro le h 18,00 del
20 ottobre 2016 
a:
URBIS ET ARTIS Via Merulana 44/45 00185 Roma

Pagamento
Bonifico bancario al numero IBAN: IT27 N020 0803 2840 0010 4215 599
INTESTATO A URBIS ET ARTIS UNICREDIT ROMA
Mail esclusiva di riferimento :
redazione.urbisetartis@gmail.com


info : 320 7105084

terça-feira, 27 de setembro de 2016

curso de desenho do Dalton - SP

__._,_Últimas turmas de iniciantes do ano 2016.

Terças-feiras tarde das 14:00 às 16:00 horas 
Terças-feiras noite das 20:00 às 22:00 horas

Início dia 4 de outubro..__

Curso de Pintura Contemporânea, com Teresa Viana - SP

Casa
 
casacontemporanea
Curso de Pintura Contemporânea, com Teresa Viana
 
 
O curso tem como objetivo propor alguns exercícios que apontam caminhos diferentes para acionar o processo de pensar na linguagem pictórica.

Horário: 8 e 9 de outubro de 2016
Sábado e domingo das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h00


Clique aqui e saiba mais!

Parceria entre Curta! e ArtRio mapeia a produção de artes visuais do país


Canal oficial da feira internacional de arte, Curta! vai exibir conteúdos inéditos e exclusivos do evento
Pelo terceiro ano consecutivo, o Canal Curta! será a TV oficial da ArtRio, feira anual de arte que acontece entre os dias 28 de setembro e 2 de outubro, no Píer Mauá, no Rio de Janeiro. Desde 2014, a parceria mapeia produção de artes visuais do país, com a produção audiovisual de "Pílulas de Arte, vídeos inéditos e exclusivos, com depoimentos de artistas brasileiros contemporâneos sobre seus processos criativos e obras, além de entrevistas com curadores, críticos, professores de arte e galeristas. Com duração de até três minutos, as “Pílulas de Arte” serão exibidas nos intervalos de programação do Curta! e ficarão disponíveis também no site da ArtRio: http://www.artrio.art.br/

Prêmio Ibema Gravura



exposição JANELAS BRASILEIRAS - Atalie Rodrigues Alves - SP

 
Será inaugurada no Centro Histórico e Cultural da Universidade Mackenzie em São Paulo(acessos pela Rua Maria Antônia, 307 ou Rua Itambé, 143), no próximo dia 06 de outubro (quinta-feira), entre 18 e 21 horas, a mostra Janelas Brasileirasque reúne parcela expressiva da produção da pintora, gravadora, desenhista e arte- educadora Atalie Rodrigues Alves, constituída por uma série de aquarelas. Na mesma oportunidade, será lançado o livro “Atalie 40 anos”, com uma ampla retrospectiva e textos críticos dos quarenta anos de suas atividades artísticas no campo das artes visuais.
A série, criada a partir de pesquisas realizadas pela própria autora em diversas cidades brasileiras, é uma retomada do ofício tradicional da pintura. O objetivo principal das pinturas é fornecer ao visitante da exposição múltiplas e diferenciadas possibilidades de leitura das janelas (aberturas para a vida cotidiana) presentes na arquitetura brasileira, pois busca articular a questão da construção da identidade cultural do país através de elementos fundamentais presentes em suas arquiteturas e no seu patrimônio edificado, fortemente influenciadas pelos aspectos regionais, pelo uso diferenciado dos materiais construtivos e pela própria diversidade cultural e da sua paisagem natural em um país de dimensões continentais.
Para o curador da mostra, o professor e artista Norberto Stori, “Atalie trabalha as suas aquarelas não com um desígnio documental, mas sim com a sua linguagem artística, pois, trata-se de uma artista antes de tudo fiel a si própria, às suas buscas e verdade pictórica. Não se apega aos modismos e ao mercado de arte. No intimismo de suas obras, a sensibilidade está nas composições formais e cromáticas seguras, revelando a artista no seu ato criador. Espaços organizados dosando a composição com linhas verticais, horizontais, circulares e curvas, cada trabalho existe por si só, obra única. Busca a plasticidade nas formas, nas cores e nos espaços organizados”.
Segundo Miguel Buzzar, diretor do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da USP de São Carlos, “há nas obras de Atalie uma serenidade nas cores que, por vezes, desmancha a geometria precisa, emprestando uma sensação ambígua e inquietante de leveza e densidade. Ambas, leveza e densidade, são atributos que, certamente, podemos verificar em outros artistas, mas em Atalie a sua permanência ao longo dos anos, perpassando vários temas e técnicas distintas, aproxima suas pinturas conferindo identidade e consistência à sua produção. Há qualidades específicas em cada um dos seus quadros, mas há, sobretudo, uma comunicação entre eles, um diálogo pictórico que enriquece a noção imediata de evolução; os detalhes e elementos revigoram-se e refinam-se a cada obra”.
Atalie, natural de Franca, é formada pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo (1976) e dedica-se ao ofício de pintora e professora de artes desde então. Dentre outras atividades, foi também diretora da Pinacoteca Municipal. Atualmente, dedica-se à coordenação das atividades artísticas do Laboratório das Artes de Franca, importante movimento cultural da cidade.

Serviço

 
Exposição: “Janelas Brasileiras” – Aquarelas de Atalie Rodrigues Alves
Abertura: dia 06 de outubro, das 18 às 21 horas
Visitação: até 18 de novembro de 2016
Horário: segunda a sexta-feira, das 10h às 21h e sábados das 10h às 16h
Local: Centro Histórico e Cultural da Universidade Presbiteriana Mackenzie
Endereço: acessos pelas Ruas Maria Antônia, 307 ou Rua Itambé, 143, São Paulo (SP)

Entrada Franca

domingo, 25 de setembro de 2016

jornada fotográfica a São Luiz do Paraitinga

O grupo UMCERTOOLHAR convida a todos para uma jornada fotográfica, após um longo período afastados desta vez nomeamos a cidade de São Luiz do Paraitinga, localizada entre Taubaté e Ubatuba. 

29 e 30 de outubro, sendo que, iremos sair de São Paulo as 8:00 no dia 29 e 
retornamos dia 30 logo após o almoço.

Esta data foi escolhida porque nestes dias acontece A Festa do Saci.

Utilizaremos um serviço de van para ir e vir, e uma pousada já contatada, sendo assim são apenas 15 vagas para esta jornada.

Valor: R$ 150,00 (transporte e pousada )

As inscrições devem ser feitas no e-mail do grupo até dia 30/09 e o pagamento até dia 10/10 em uma conta que será enviada no ato da inscrição. 


Inscrições: umcertoolhar@gmail.com


Aguardamos sua inscrição!
UMCERTOOLHAR

sábado, 24 de setembro de 2016

linha SESC em obras - Evandro Carlos Jardim - SESC Pompéia - SP


Instalação faz releitura de Obra de Pompeo Batoni “Diana caçadora” - SP

Instalação faz releitura de Obra de Pompeo Batoni “Diana caçadora”
 
Escultura Diana Vegana, modelada em escala do corpo feminino, busca suscitar reflexões sobre questões ligadas a proteção animal e questões ambientais. Obra do premiado artista Luciano Zanette ficará exposta na Fundação Ema Klabin até 30 de novembro.
A Fundação Ema Klabin, no Jardim Europa, promove desde 2015 a série Intervalo Contemporâneo  que convida artistas a criarem trabalhos que são expostos no percurso de visitação da casa-museu. De 1º de outubro à 30 de novembro, o artista visual Luciano Zanette apresenta a instalação Diana Vegana no pátio interno da casa-museu, com curadoria de Renê Foch.
A proposição Diana Vegana foi pensada por Zanette a partir da identificação da colecionadora com a figura mitológica de Diana; referida em duas obras do acervo da Fundação, uma delas o retrato de Dama como Diana Caçadora (Pompeo Batoni, 1708, Lucca-1787, Roma) e a outra em uma pintura de Ema Klabin inspirada no tema. 
Na mitologia romana, Diana é um modelo simbólico de mulher forte e independente. “ Diana Vegana foi pensada a partir destes valores: de uma mulher contemporânea, livre, forte, esclarecida e atuante. No trabalho temos uma livre contextualização desta figura mitológica com o momento atual. Sendo ela não mais representada de modo arcaico como Diana Caçadora, que se impunha pela violência das armas, no caso o arco e flecha, mas como uma ativista vegana que se coloca com o intelecto, a empatia e a ação direta de conscientização, defendendo o fim da escravidão animal”, explica o artista Luciano Zanette.
Segundo Renê Foch, curador da série Intervalo Contemporâneo, os trabalhos de arte instalados na casa-museu são um contraponto para a coleção de Ema Klabin, inserindo uma produção contemporânea no percurso das visitas e abrindo espaço para um novo olhar frente essa coleção e suas interferências.  

Sobre o artista visual Luciano Zanette - Indicado ao PIPA 2011
Artista com bacharelado em escultura (2002) e mestrado em poéticas visuais (2007) pelo Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Em 1997 forma o grupo “Comfluência”  com Gabriela Picoli, Jerri Rossato Lima e Marcio Quadrado, em 2002 inicia as atividades do coletivo POIS com Marcelo Gobatto e Claudia Paim. Em 2007, na primeira edição do Prêmio Açorianos de Artes Plásticas, recebe os prêmios de Artista do Ano de 2006 e Destaque Escultura pela exposição individual Mobiliário Melancólico. Integra o Atelier Subterrânea em Porto Alegre entre 2007 e 2008. É selecionado para o Programa Rumos Visuais 2008–2009 do Instituto Itaú Cultural (2009-10). Em 2015 participa da Bienal Tridimensional Internacional do Rio de Janeiro – TRIO BIENAL 2015. Desde 2009 é professor no bacharelado do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, onde ministra as disciplinas de Linguagem Tridimensional e Desenho. Possui obras nos acervos do MARGS, MACRS, MACPR e Fundação Vera Chaves Barcellos.
NOVIDADE:
 
Desde 1º de setembro, a casa-museu Ema Klabin ganhou novos dias e horários para visitação. Funciona de quarta a domingo, das 14h às 17h, sem agendamento. Aos finais de semana, a visita tem entrada franca. Nos outros dias, o ingresso custa R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia). 
 
A casa-museu possui um rico acervo de mais de 1500 obras de arte, entre pinturas do russo Marc Chagall, do holandês Frans Post, talhas do mineiro Mestre Valentim, mobiliário, peças arqueológicas e decorativas e um jardim projetado por Burle Marx.
 Serviço:
Exposição: Intervalo Contemporâneo com o artista Luciano Zanette
Curadoria: Renê Foch.
Abertura: 1/10/2016, sábado, às 14h.
Período: 1/10/2016 à 30/11/2016 -  Quarta à domingo, das 14h às 17h.
Ingresso: Aos finais de semana a visita tem entrada franca. Nos outros dias, o ingresso custa R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia).
Indicação: livre
Local: Fundação Ema Klabin - Rua Portugal, 43, Jardim Europa, São Paulo
Para conhecer mais sobre o trabalho do artistahttp://lucianozanette.wordpress.com

curso Do desenho à escultura: percursos e modalidades - Arnaldo Battaglini - SP

Do desenho a escultura sesc
Por meio da abordagem de obras produzidas entre 1979 e 2015, o artista Arnaldo Battaglini irá comentar seu percurso artístico relacionando os assuntos trabalhados em cada fase de sua carreira e as escolhas das diversas modalidades que permearam sua produção. Serão apresentadas experiências não convencionais realizadas na gravura em metal que se desdobraram posteriormente em esculturas e design de joias. O curso finaliza com uma visita à obra permanente Cubo Sombra Linear, na unidade Sesc Santana.

Com Arnaldo Battaglini, que estudou desenho, pintura e gravura na Wimbledon School of Art e História da Arte na Middlesex Polytechnic em Londres.


(Foto: Arnaldo Battaglini)


27 de setembro a 1 de outubro de 2016, de terça a sábado, das 15h às 17h


Centro de Pesquisa e Formação – CPF Sesc
Rua Dr. Plínio Barreto 285, 4º andar, São Paulo, SP
11-3254-5600 ou centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br
Segunda a sexta, das 10h às 22h; sábados, das 9h30 18h30

informações e inscrições pelo site ou nas unidades do Sesc no Estado de São Paulo.



ATELIÊ DOS LÍQUIDOS 28/09 - INSCRIÇÕES ABERTAS


Estão abertas as inscrições para participar do Ateliê dos Líquidos,
que acontecerá no dia 28 de setembro, das 15h às 16h30.

Estas atividades foram elaboradas para visitas que realizamos com o público infantil, mas não há uma indicação etária, estão convidadas crianças, jovens, adultos e idosos.

Se quiser conhecer algumas das propostas que poderão ser realizadas, clique aqui: https://www.facebook.com/educativosegall/photos/…

É necessário inscrever-se pelo telefone 11 2159-0400.
A taxa de materiais é de R$ 3,00.
Vagas limitadas.

Ateliê dos Líquidos
Consiste na experimentação de materiais moles e líquidos, como tintas, colas, água, leite e pigmentos para a realização de pesquisas de cor, relações de consistências e cromatismos, com finalidade de que haja criações a partir do contexto vivenciado no museu, em outra linguagem, para além da oral e discursiva trazida na visita à exposição de Lasar Segall.

curso encáustica na arte sacra bizantina - SP

curso Djanira e a maneira do popular - Giancarlo Hannud

Palestrante Giancarlo Hannud
Horário11h
Data Sábado, de 01 a 01 de outubro de 2016
Investimento Gratuito


Ao folhear os catálogos das bienais de São Paulo da década de 1960 e nos depararmos com anúncios de lojas de objetos de arte popular, é interessante pensarmos que no exato momento em que a construção e inauguração de Brasília e suas utopias de modernidade se colocavam diante de uma população avida por progresso e renovação, também existia um desejo e uma curiosidade da parte de um público razoavelmente informado numa arte de caráter popular, folclórico, ou “primitivo”. Um interesse pelo Brasil de dentro e suas formas de arte popular, inteiramente distinto do Brasil moderno, que se encontrava ilustrado pelos movimentos de caráter abstrato, como o Concreto e o Neoconcreto. Esse interesse pode ser visto não só numa série de exposições e nas atividades de figuras como Lina Bo Bardi (1914-1992) e Pietro Maria Bardi (1900-1999) – que por motivos tão ideológicos quanto estéticos propunham um olhar não-hierárquico, onde o erudito e o popular habitavam o mesmo espaço –, mas também na obra de artistas que se utilizaram da linguagem popular. Esses artistas, dentre os quais Djanira da Motta e Silva (1914-1979) pode ser inserida, propuseram um modo de se fazer arte que tomou o popular e suas várias transmutações como ponto de partida. 

Palestrante
Giancarlo Hannud é historiador da arte. Estudou Belas Artes na Slade School of Fine Art, UCL, em Londres, e é mestre pelo Warburg Institute, School of Advanced Study, onde pesquisou as imagens setecentistas do Diabo no novo mundo. Entre 2006 e 2007 foi professor de história da arte na City University, também em Londres. Integrou a equipe curatorial de projetos como a28ª Bienal de São Paulo: em vivo contato e a representação nacional brasileira na 53. Esposizione Internazionale d'Arte, Biennale di Venezia. Entre 2010 e 2015, foi curador da Pinacoteca do Estado de São Paulo. Nessa instituição foi curador assistente da exposição aberto fechado: caixa e livro na arte brasileira, com curadoria de Guy Brett e curou as mostras fato aberto: o desenho no acervo da Pinacoteca do Estado, em 2013, Guillermo Kuitca: filosofia para princesas em 2014 e Roberto Burle Marx: uma vontade de beleza, em 2015. Desde 2014 é professor da Faculdade Santa Marcelina, e contribui para publicações nacionais e internacionais, como Flash Art e Naked Punch.

Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - MASP
Avenida Paulista, 1578 - Cerqueira César
CEP 01310-200 - São Paulo / SP
Telefone 55 - 11 - 3149-5959